terça-feira, 2 de março de 2021

Bem-Estar e o processo de doença

O capítulo 18 de Power vs. Force é praticamente uma continuação do capítulo anterior. Se antes Hawkins comentou sobre a saúde estar atrelada aos padrões energéticos, neste capítulo Hawkins comenta sobre como os padrões energéticos geram os problemas de saúde, encerrando a parte 2 do livro. Cabe ressaltar que outros capítulos foram tratados em outros posts deste blog, sem referência específica a quais o foram. Isso não significa que os próximos serão tratados individualmente.

Como comentado no post do capítulo anterior, emoções podem gerar problemas de saúde, dependendo a quais padrões atratores estão ligados. No documentário Quem somos nós, pesquisadores afirmam que as pessoas tendem a se viciar em neurotransmissores, buscando situações nas quais haja a liberação dessas substâncias, em especial situações negativas. Isso explicaria porque as pessoas, no geral, acabam por permanecer com os mesmos problemas e situações.

Uma leve variação no padrão energético pode resultar em um salto harmônico e evoluir o padrão inteiro. Com isso há o que é chamado de turbulência: um descontrole emocional temporário até um novo nível de homeostase ser atingido. Já pensamentos de baixo padrão atrator, se constantemente repetidos, manifestam-se em problemas de saúde.

O principal exemplo usado por Hawkins neste capítulo são os Alcoólicos Anônimos, cuja estratégia, criada pelo seu fundador, é justamente mudar por completo os padrões mentais de seus membros, permitindo que evoluam suas consciências e se afastem, em definitivo, do vício em álcool. Cada mudança radical é desorientadora, é necessário suportar o desconforto temporário do crescimento. A recuperação de qualquer doença requer disposição para explorar novos caminhos de busca de si e da vida. Nisso inclui a capacidade de suportar os medos internos quando seus sistemas de crenças forem abalados.

Maldade realmente torna as pessoas doentes. Cada pensamento rancoroso é um ataque à fisiologia do organismo, assim como cada risada o recupera. E cada piada nos lembra que a realidade é transcendente, além dos detalhes do cotidiano. Risada traz aceitação e liberdade, é uma ameaça à força e à intimidação: é difícil oprimir um povo com senso de humor. A falta de humor é sempre acompanhada pelo impulso de dominar e controlar, mesmo que seja com o objetivo de criar prosperidade e paz.

Uma cura só pode ocorrer pelos progressivos passos de elevação do propósito e do abandono da auto-decepção, para atingir uma nova claridade visual. Assim como um acidente é prenunciado por vários "pequenos passos" preparatórios. O processo de doença é evidência de que algo está errado no trabalho da mente - tratá-la apenas como um processo físico não corrige a origem da disfunção, sendo mais paliativa do que curativa.

terça-feira, 23 de fevereiro de 2021

Saúde Física e Poder

Indo ao capítulo 17 do livro Power vs. Force, Hawkins comenta sobre como os padrões atratores elevados estão ligados à saúde. A motivação de uma pessoa está ligada aos seus princípios, e o efeito desta ligação supera o relativo a causas psicológicas. Logo, quanto mais elevados são os princípios aos quais uma pessoa está alinhada, mais saudável ela é.

No entanto, eu tenho que observar que, dependendo do local onde uma pessoa ligada a altos padrões se encontre, ela pode vir a sofrer problemas de saúde devido ao excesso de caixa de baixo padrão. Como as pessoas no geral recusam-se a crescer e a ligar-se a estes padrões, é criada uma tensão entre um evoluído e massas de involuídos, onde o primeiro também sofre prejuízos.

Claro que uma pessoa evoluída tende a lidar com essa situação de forma mais serena e a se recuperar de forma mais rápida. Contudo, existe a falsa ideia de que uma pessoa evoluída é literalmente imune a qualquer mal que lhe seja dirigido. Não é bem assim: se um "ataque" for de pequena monta, obviamente os efeitos inexistirão. Só que, como a maioria dos "ataques" não são isolados, os efeitos são sentidos.

Voltando ao livro, Hawkins afirma que o sistema nervoso central possui capacidade de distinguir os níveis de padrões ao redor da pessoa. Se altos padrões energéticos geram saúde, baixos padrões geram doenças. Tratamentos energéticos buscam elevar esses padrões alojados no organismo para recuperar a saúde, como quiropraxia, acupuntura e reflexologia.

Para a recuperação de doenças, é necessário mudar o padrão de vida. Sem essa mudança de padrão, o problema certamente retornará. Grupos de autoajuda são prova disso: é necessário a pessoa decidir sinceramente que deseja mudar, e permitir que a mudança aconteça, por mais sofrimento que ela sinta.

Em medicina, é comum falar que o stress pode gerar diversos problemas de saúde. No entanto, a dificuldade está em encontrar a fonte deste stress, que geralmente é o próprio padrão de vida da pessoa. O que ativa o stress não são as situações da vida, mas as reações perante eles, que são baseadas nos princípios nos quais estamos alinhados, o que foi comentado no começo deste post.

terça-feira, 16 de fevereiro de 2021

Sobrevivendo ao sucesso

No Capítulo 16 do livro Power vs. Force, Hawkins comenta sobre o sucesso, que geralmente é associado a baixos padrões atratores. De forma geral, as pessoas associam sucesso a dinheiro e ao "poder", mais próximo ao conceito de Força do Hawkins do que ao próprio conceito de Poder desenvolvido ao longo do livro. O verdadeiro sucesso não está associado a apenas uma ou poucas realizações, mas a toda uma vida bem sucedida, que beneficia a todos que estão em volta.

A mídia no geral acaba por confundir sucesso com celebridade, sendo que esta acaba por corroer a saúde e o espírito das pessoas - o que explica tantos "famosos" que têm suas carreiras arruinadas, e mesmo suas vidas destruídas. Isso ocorre não por conta de dinheiro, mas por conta de um ego mal cuidado que acaba por se "viciar" na atenção e tratamento dispensados, querendo mais e mais, chegando a absurdos documentados todos os dias.

Hawkins diferencia um "pequeno ego", que seria nossa personalidade ordinária, suscetível a caprichos, e um "grande ego", que na psicanálise é chamado de self, que seria nossa personalidade superior, alinhada a princípios elevados. Pessoalmente, ambos são a mesma coisa: o ego só se eleva se é trabalhado para tal. A pessoa não deixa de ser ela mesma, mas traz à tona quem realmente é. Fazendo um paralelo com Kung Fu Panda 3, um mestre não é aquele que forma um aluno com elementos exclusivamente externos, mas aquele que consegue despertar e trabalhar o melhor de cada aluno.

Sucesso é muito mais uma responsabilidade do que um mérito. Quem o alcança acaba por ter a obrigação de ajudar outras pessoas a alcançarem-no também. Verdadeiras pessoas de sucesso são humildes e veem o fato como uma bênção em suas vidas, um privilégio que gera obrigações e responsabilidades com outras pessoas.

O verdadeiro sucesso pode ser explicado dentro do padrão de causalidade: enquanto que a maioria das pessoas veem como uma ação que gera uma reação, temendo perder o que conseguiu, a causalidade se dá em um campo atrator, no qual a pessoa está imersa, onde as coisas ocorrem simultaneamente. É um padrão de consciência, não apenas uma sequência de pensamentos, que flui como uma corrente elétrica: quanto mais forte ela for, mais forte será o campo e mais influenciará com a sua presença.

terça-feira, 9 de fevereiro de 2021

Genialidade e Criatividade

Continuando a escrever sobre o Power vs. Force, chegamos ao capítulo 15, sobre a Genialidade e o Poder da Criatividade. Já comentei sobre aqui no blog quando falei sobre empirismo, que, no fundo, nada mais é que uma forma de "baixar" informações pela mente. Informações estas que já existem nos campos atratores, mas que ainda não foram manifestadas na "realidade". O trabalho de pensar torna-se ponte entre o não-manifesto e o manifesto.

Um gênio é aquela pessoa que possui um estilo de consciência caracterizado pela habilidade de acesso a padrões atratores altamente elevados, geralmente associando sua genialidade a uma inspiração divina, que apresenta respostas e conceitos já prontos: grandes gênios da música não planejaram suas grandes obras, mas as tinham completas em suas mentes. Grandes ideias não são conceitualizadas, mas reveladas, de certa forma, como o koan na tradição Zen.

Todas as pessoas têm um potencial genial dentro de si, geralmente expresso por aquelas sacadas inesperadas que surgem em momentos específicos e que acabam por resolver situações mais complexas. Um gênio acaba por ter isso continuamente, em vários aspectos de sua vida, acabando por desenvolver múltiplos talentos. Quando um gênio traz um padrão elevado para o cotidiano, ele eleva a sociedade em que se encontra a um novo nível.

Gênios verdadeiros acabam por ter um estilo de vida excêntrico e uma visão de mundo diferenciada, por conta desse contato com padrões atratores mais elevados. Acontece que a grande maioria dos gênios não é reconhecida, seja por não serem aceitos como pessoas "normais", seja por suas ideias não serem reconhecidas em seu tempo - vindo, na maior parte das vezes, serem reconhecidas apenas postumamente.

Outro motivo pelo qual um verdadeiro gênio não é reconhecido é por nem sempre possuir um alto QI, o famoso quociente de inteligência. Claro que grandes físicos e matemáticos, por exemplo, acabam por precisar desta característica. Outra coisa é que o fluxo de trabalho de um gênio é de grande intensidade em apenas alguns momentos: quando a ideia surge em sua cabeça, o gênio trabalha por horas a fio para aproveitá-la com o máximo de detalhes, para depois aguardar o próximo insight.

terça-feira, 2 de fevereiro de 2021

Vamos falar sobre meritocracia?

Da série de palavrinhas nas quais seu significado foi distorcido e vulgarizado a tal ponto que se tornou vazio e significando qualquer coisa, geralmente associado a algo negativo. A princípio, meritocracia seria uma sociedade orientada pelo mérito de seus membros: às pessoas estariam reservadas as coisas com base no que fizeram de bom ou importante. Quem geralmente critica, acusa essa linha de pensamento de não pensar nos obstáculos que as pessoas possuem, acabando por não ter seus méritos reconhecidos.

No entanto, a questão não é esta, pois o mérito está baseado justamente em superar os obstáculos impostos pela vida, independente de quais sejam. O problema está em reconhecer o mérito alheio: reconhecer que uma pessoa superou-se e deu seu melhor em tal feito. As pessoas tendem a diminuir seus pares para se valorizarem. Pensando desta forma, a pessoa só reconhece o mérito de si mesma, de ninguém mais.

Ou seja, nem dá para pensar em mérito se não houver maturidade, pois é esta que permite que a pessoa reconheça o potencial e os feitos das pessoas, independente de conveniência. Esta também é um problema, pois são reconhecidos apenas méritos de pessoas dentro de um círculo aceitável. Fora deste círculo, ninguém merece nada - como as panelinhas da escola, da empresa, e de tantos outros lugares. É normal as pessoas se reunirem em grupos para se protegerem.

Sem maturidade, a existência desses grupos torna-se nociva a outros grupos, e a cooperação dentro da sociedade desaparece. Por isso é complicado falar de meritocracia: é complicado pensar além do próprio grupo, ou mesmo além de si mesmo, e reconhecer que há pessoas se esforçando de forma honesta. Afinal, imagine perder algo porque admitiu a superioridade de um concorrente, exige amor-próprio e maturidade - não se desapegar do ego, afinal ele é muito importante.