A culpa não é de ninguém, mas a responsabilidade é de todos

As pessoas são responsáveis por tudo que acontece na vida delas, mas cerca de 95% da população mundial não tem consciência disso, com a tendência de morrer sem tê-la. Nos últimos tempos, o papel de vítima passou por uma grave distorção, como se fosse alguém passivo ao ocorrido, imune de acusações, permitindo que forças externas o manipulem, o joguem de um lado pro outro. sendo que você pode assumir o controle da sua vida e assumir a responsabilidade pelo que acontece com ela.


We want you! por Lode Van de Velde

Assumir a responsabilidade de algo dá muito trabalho, pois requer coragem, muita coragem. Não falo de não ter medo, porque o medo é necessário para ter noção do que acontece em volta. Ter coragem não é fácil - é mais fácil não ter medo e ser uma pessoa imprudente. Mais fácil ainda é entregar a responsabilidade nas mãos de outrem. É bem mais fácil, mas não há crescimento, nem aprendizado, e pior: você acaba fazendo coisas nas quais não concorda. Conclusão: não vale a pena.

Ninguém é culpado, mas todos são responsáveis: o "autor", a "vítima", a sociedade que permite a existência dos papéis anteriores, você, eu. Colocando a responsabilidade em todos os agentes da ação (principalmente as vítimas, que tendem a fugir para não terem que arcar com prejuízos), a situação tende a mudar pela raiz, evitando que situações desagradáveis repitam-se, acabando até com o famoso mimimi. A existência da culpa transfere a responsabilidade da "vítima" para o "culpado" e desaparece o aprendizado.

Quando a pessoa torna-se responsável pelos seus atos, ela fica livre para escolher o que quer que aconteça na vida. Escolher o que realmente quer é só ir atrás. Não apenas para coisas materiais, mas situações, pessoas, experiências de vida. A própria pessoa é a única responsável por ela, ninguém mais. Claro que ela não terá aprovação de todos e mesmo só encontre resistência, mas a consciência estará tranquila no final do dia.

Comentários

  1. Oi...
    Esse seu texto está perfeito para a ultima polemikis do momento. Não há problema em uma guria sair com uma roupa mais "provocativa" mas acho completamente errado a forma como está sendo feita a tal campanha. Primeiro que estrupo não é um merecimento e usar o termo 'mereço' está querendo falar que o carinha tem direito de algo, logo, 'eu não mereço' dá pra ser interpretado como 'ela não merece mas alguém deve merecer'. Segundo que uma posse sensual contra um ato sexual não ajuda muito.
    Se parassem de ficar querendo achar culpado e simplesmente resolvesse seria tão mais fácil.

    ResponderExcluir
  2. Dei block nele no mesmo dia kkkk. E depois achei onde estava o celular, tirei e mudei umas configurações =)

    Então, vi ontem (ou antes de ontem, me perdi no tempo) que o tal centro que fez a pesquisa errou nos números (estagiário é fogo!), to louca pra saber o que as fofix vão fazer. Até onde eu sei tudo começou com o resultado da pesquisa.
    Ai vem a fia com o short do tamanho de uma calcinha e quer que respeite a roupa dela... saudades de 1950 e seus vestidos elegantes... 1880 também xD~
    Mas o difícil é que realmente a roupa não é importante pro estuprador, como na Índia... e ainda mesmo se uma mulher estiver acompanhada por um namorado os caras não perdoam. Teria que mudar o pensamento do cara, mas ai é que vem: como mudar um pensamento de um estuprador?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Ao clicar em enviar, aparecerá uma caixinha de confirmação.