terça-feira, 21 de outubro de 2014

Conflito de egos

Você já reparou que os problemas coletivos envolvem muita gente? Parece óbvio, mas se você for reparar, sempre jogam a culpa dos problemas de uma coletividade em uma pessoa só ou em um grupo muito pequeno. E os outros simplesmente se isentam da culpa. O problema se perpetua, se agrava, e não é resolvido. Por quê? Por vários motivos, mas quero ressaltar um neste post: o egocentrismo.

É basicamente isso: as pessoas não querem assumir responsabilidades, gostam de pagar de vítima. Então jogam a culpa em que vier pela frente, seja no Diabo, no Congresso, ou mesmo no Governador. É fácil falar que algo ou alguém é culpado pela situação, difícil mesmo é assumir o erro e dar a cara a tapa, porque sempre haverá alguém que irá montar na honestidade do outro.


People, por George Hodan

O egoísta, egocêntrico, querendo parecer superior, não assume suas falhas, e delega a responsabilidade da sua vida a outras pessoas. Reclama que sua vida não vai bem, e sempre encontra uma forma de assumir o papel de vítima. O problema atualmente é que muitas pessoas estão tomando essa postura ao mesmo tempo para as mesmas situações, o que atravanca qualquer forma de resolução efetiva. Eu vi isso na greve da USP: pessoas não assumindo as próprias responsabilidades para resolver a situação. É muito mais fácil jogar a culpa no reitor e no Governador do que fazer algo realmente sério para solucionar a crise.

Sobre a crise de água é a mesma coisa: por que economizar água se a culpa é da Sabesp? Por mais culpa que tenham, a responsabilidade também é nossa. Sentar e reclamar não ajuda em nada: levantar e fazer alguma coisa (nem que seja não ficar reclamando) ajuda em muito mais. Tenha em mente que problemas coletivos demandam solução coletiva: como viver em sociedade se seus membros não se ajudam?

Muitos clamam pelo social, anular a si próprio para fazer uma sociedade. Mas não é necessário se anular para fazer uma sociedade, ao mesmo tempo em que não é possível conviver com alguém que passa por cima de tudo e de todos. Percebi que muitos que clamam por uma sociedade mais social são extremamente egoístas, não exatamente querendo uma mudança de paradigma, mas querendo estar no controle deste processo, controlando-o ao seu bel prazer.

Pode ter certeza de uma coisa: muita coisa boa deixa de acontecer porque uma pessoa não quer. Uma ou um grupinho, não importa. Parece que as pessoas têm o costume de atrapalhar sempre que possível, mesmo quando podem ajudar. Muitos consideram isso humilhação, ficar por baixo. Mas que obsessão é essa de querer ficar por cima, de se sentir superior? Como se ajudar os outros fosse algo negativo. Entenda: querer levar vantagem, atrapalhar alguém, só faz mal a quem causa. Quando a pessoa toma consciência disso, começa a ter consciência do mal que fez na vida. E aí entra o aprendizado.

2 comentários:

  1. Eu acho um cumulo a pessoa ficar reclamando da água por que o governo não fez nada. Mas fazer o que? Importar nuvens de chuva da China???
    É uma coisa tão logica: se não chove a muito tempo e está um calor de matar, a água dos reservatórios vai secar, então é melhor economizar.
    Aqui em Birigui, no meu bairro é poço artesiano, e vez por outra a prefeitura avisa que vai faltar água para fazer manutenção. Numa dessas vezes ia faltar água por uma semana. E minha vizinha linda, justo nessa semana achou legal lavar o carro e a rua (sim a rua), minha mãe foi lá falar com ela (por que ela pensava que a vizinha pudesse não saber) que ia faltar água. A vizinha linda disse "to nem ai, minha casa já tá limpa o resto que se dane". Isso foi o absurdo do absurdo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, coração. Há pessoas que escolhem desperdiçar. E são as primeiras a reclamar.

      Beijos

      Excluir

Deixe seu comentário. Ao clicar em enviar, aparecerá uma caixinha de confirmação.