Postagens

Mostrando postagens de dezembro, 2014

Editorial para 2015: seja Luz

Imagem
Nestes tempos sombrios , é hora de irradiar nossa luz interior. Mostrar pra nós mesmos que podemos mais e que somos muito melhores do que imaginamos. É hora de admitir nossos defeitos, nossas falhas e esquecer um pouco os outros e seus defeitos. E irmos além do que achamos que podemos. A proposta pro blog neste ano é trabalhar com os assuntos mais luminosos possíveis, deixando as coisas tristes de lado - afinal, já temos tristeza demais no mundo. Sobretudo trabalhar nossa luz interior, que está sob escombros e entulhos da nossa vida. Que tal uma faxina? Vejo as pessoas reclamando muito dos problemas. Mas muito mesmo, que até cansa! Indo além dos próprios problemas, as pessoas adoram reclamar dos problemas dos outros, dos problemas da sociedade como um todo. E não conseguem perceber algo primordial: nós causamos nossos próprios problemas. Se nossa vida está assim, se a sociedade é assim, é porque somos assim, nós escolhemos isso. Não vou ficar martelando isso na sua cabeça, até porqu

Capricho

Imagem
Evangelho de Lindisfarne, digitalizado pela British Library, fólio 2v. Lembra quando eu falei sobre produtividade ? Naquele post eu sugeri focar na qualidade ao invés da quantidade. E eu fui percebendo ao longo dos dias como deixamos de fazer as coisas com capricho - sabe, com aqueles detalhes que fazem toda a diferença e que dão aquela satisfação ao final. Fazer é uma coisa, mas fazer com capricho... Tem horas que a vida nos dá presentes assim: bem feitos, sob medida para as situações. Nem sempre estamos abertos para isso - normal, estamos quase automáticos, pulamos os momentos da vida como se pudéssemos voltar atrás depois. Se cada momento fosse vivido com esmero, com capricho , todos valeriam a pena - até os piores. A graça de viver está nos detalhes - detalhes definem tudo . Os acasos (que não são acasos, diga-se de passagem) acontecem conforme estamos. Se estamos bem, atraímos coisas boas, se estamos mal, atraímos a mesma coisa. Por isso que quando estamos atrasados mais co

Sorria!

Imagem
Happy Smile Text, por Dawn Hudson Hoje em dia as pessoas fazem muita cara feia! Cara amarrada, cara fechada. Na moral, isso me assusta! De início eu pensei que era algum tipo de preconceito não detectado . Nessa moda de que todo mundo tem preconceito com todo mundo, até pensei que fosse algo do gênero, mas não é: simplesmente as pessoas se recusam a sorrir, vivem de mal humor o tempo todo. É tão constante que quando uma risada escapa, ops, fecham a boca como se fosse um bocejo ou um arroto. Pensava que era preconceito porque hoje em dia tudo é considerado atitude preconceituosa. Então eu pensava que qualquer atitude que eu tinha na rua era vista como algo negativo. Por mais que eu tomasse cuidado ou fosse educada, aquelas caras fechadas continuavam. E como uma cara feia incomoda! Parece que você fez algo errado, ou que você não é bem-vindo. E aos poucos fui percebendo que o problema estava no meu sorriso: eu sempre levo comigo um sorriso nos lábios (claro que não dá o tempo todo po

Ame seu dinheiro

Imagem
Você tem um trabalho e recebe por isso. O dinheiro é uma representação do resultado do esforço do seu trabalho. Se antigamente o que você produzia era trocado pelo que você precisava, hoje em dia o que você produz é trocado por algo que lhe permita adquirir o que você quer e precisa. Basicamente é isso, e independente de você estar satisfeito ou não, é seu e você precisa aprender a valorizá-lo. Making Change, por Adrian Paulino Uma observação importante: você realmente está insatisfeito com seu salário? Quero começar com este questionamento porque vejo pessoas receberem bem mais do que eu e estarem atoladas em dívidas, e outras tantas que só querem saber de aumentos (mas não sabem responder quando questionadas sobre o que vão fazer com esse dinheiro a mais). Eu sei que ganhar um dinheirinho a mais é bom, mas isso não ocorre com frequência, o que leva à reflexão de aprender a valorizar o que tem, sem se importar com a opinião alheia a respeito . Quando observamos o que realmente