terça-feira, 30 de junho de 2015

Pecado e Karma - o que temos a aprender

Começar pelo básico: não viemos a este planeta para sofrer. Tá que aqui não é um dos melhores lugares para se viver (mas não vou dizer que aqui é dos piores - nunca se sabe!), mas o sofrimento é mais um meio ou uma consequência, nunca o fim. Digo isso porque o aprendizado pode ser sem dor, alegre e muito gostoso - depende do nosso ponto de vista. O que para alguns é sofrimento, para outros é aprendizado. Aceita que dói menos, saca?

Todos cometemos erros, em diferentes escalas, mas todos dentro do nosso "programa de aprendizado". Esses erros são cobrados - não tem como fugir ou "empurrar com a barriga" (ou seja, não adianta desejar mal para alguém que se safa de uma situação, ou julgar a pessoa por não ser condenada por um crime). Todos os nossos problemas e dificuldades geralmente estão ligados a uma lição específica de aprendizado - tanto é que quando a gente aprende a lição os problemas magicamente somem (e outros surgem).

Passamos por muitas situações desagradáveis, aprendizados difíceis. É como se a gente estivesse pagando nossas dívidas. Basicamente estamos, de certa forma. Estamos consertando o que fizemos de errado, mas isso não é exatamente algo ruim. Engraçado que isso não é visto como uma nova oportunidade de crescimento (assista Wolf's Rain e seja grato!). Busque ver as situações como consequências do que foi feito no passado - isso é karma, isso é pecado - e sorria pela oportunidade de rever o que foi feito para fazer melhor.

Vejo as pessoas usarem essas palavras - karma e pecado - de forma muito vulgar (meio que pra justificar qualquer coisa), o que acaba provocando em outras a reação de não usá-las. Pecado virou algo restrito à religião (principalmente à católica) e karma virou uma dívida a ser paga para não sei quem. São conceitos simples, que precisam ser vividos para serem definidos. É normal ter medo, mas não se deixe ser dominado por ele - afinal, você errou e está vivendo as consequências (pagando pelo pecado de certa forma), podendo rever seus atos e tomar atitudes melhores com base no que aprendeu (queimar o karma).

Afinal (ou ao final?): qual é o problema de errar? Por mais catastrófico que seja o erro, sempre haverá o perdão, sempre haverá uma segunda chance - olhe para além do trauma, da raiva, do sistema. Pessoas que se sacrificam pelas outras buscam de certa forma consertar o que fizeram ajudando outras pessoas em seus erros. Isso passa batido e muitas pessoas até acham uma atitude vazia - e é justamente o contrário.

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Ao clicar em enviar, aparecerá uma caixinha de confirmação.