Uma teoria sobre Respeito


Cactos coloridos, por Vera Kratochvil

Há algum tempo, inventei um esquema sobre gostar e respeitar, pois são duas coisas distintas que as pessoas acabam por confundir. Nesta confusão, pessoas realmente intolerantes são vistas como críticas e pessoas com opinião diversa são vistas como preconceituosas, por mais que respeitem e aceitem a opinião alheia:

1- Gosta e Respeita
2- Não Gosta e Respeita
3- Gosta e Não Respeita
4- Não Gosta e Não Respeita

1- Gosta e Respeita
O tipo mais esperado pelas pessoas, afinal é muito legal estar com alguém que, além de respeitar, gosta da mesma coisa que nós. O grande problema é que, dentro das possibilidades, é um tipo bem raro de achar.

2- Não Gosta e Respeita
São pessoas aceitáveis. Mesmo não gostando de determinada coisa, respeitam-na e também quem gosta, evitando palavras e atitudes grosseiras. O problema é que muitos não as compreendem: um comentário inteligente, ou até mesmo bem-humorado pode ser visto como ofensa, fora que muitos confundem gostar e respeitar, achando que quem respeita deveria gostar também.

3- Gosta e Não Respeita
Este tipo é bem interessante: são os famosos haters que encontramos por aí. Na verdade, eles gostam mas exteriorizam de outra forma, que o gera discórdia com quem gosta e respeita. Este é o tipo de pessoa que mais se deve tomar cuidado e prestar atenção, porque independente de gostar, ele não respeita. Os confusos de gostar e respeitar acabam preferindo aceitar pessoas assim do que as do tipo 2.

4- Não Gosta e Não Respeita
São os intolerantes declarados, geralmente escondendo-se em discursos "politicamente corretos". Contudo, quem possui um discernimento mais apurado percebe que são pessoas, digamos, complicadas. Muitos são rotulados de tipo 4 (como os de tipo 2) mesmo não sendo, como se fosse motivo para perseguição. Atitudes merecem providências, não pensamentos.

Gostar e respeitar são coisas distintas. Gostar é uma escolha pessoal, e respeitar é um dever social. Cada um respeita de uma forma, mas o que vale é a sua intenção (não adianta se esconder por trás dos discursos). A atitude é algo a ser apurado em âmbito jurídico e ponderado em âmbito pessoal. Autocrítica e discernimento são fundamentais, além de como uma boa intenção, na mente e no coração.

Comentários

  1. Bah! Complicado isso ... acho que vou transformar teus posts em material para minha autoanálise. Vou precisar ler mais vezes, para ver onde me enquadro. Aproveito para te dizer que comecei uma pintura, inicialmente te confesso que é muito feia, mas vou seguir tua sugestão.
    Gostei desse assunto, você sempre trás coisas que parecem exigir muito de leitura e reflexão. Valeu!
    Boa semana e um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde!

      Fique à vontade de utilizar meus posts como também para pesquisar outras fontes e outros autores. É muito bom quando a gente pesquisa procurando o crescimento interior. É como se cultivássemos um jardim interior, com tudo aquilo que nos agrada.
      Siga em frente com a pintura! E aproveite para senti-la, o que você sente enquanto pinta.
      A ideia aqui é dar o pontapé inicial para uma reflexão, porque no final cada pessoa acaba tomando sua própria decisão e tendo a própria opinião. Claro que em alguns casos vou falar o que penso sobre - principalmente quando tenho uma ideia mais madura a respeito.

      Boa semana e um forte abraço!

      Excluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Ao clicar em enviar, aparecerá uma caixinha de confirmação.