Vilões das Ficções


Não há difefença entre a ficção e a realidade para a mente. Através da ficção, pode-se ter acesso à programação que tentam inserir nas pessoas. A ideia de que a ficção não existe é mais uma salvaguarda pra não haver um surto coletivo. Quando se começa a ler as entrelinhas da "ficção" e da "realidade", que não possuem fronteiras concretas, tudo muda de figura.

Analisando o "coitadismo social" que a sociedade possui atualmente, na qual o conceito de vítima foi distorcido, inserindo nele qualquer pessoa que tenha sofrido qualquer coisa que não tenha superado, como se fossem seres sem capacidade de ação, na ficção não é diferente. Histórias antigas são recontadas de forma distorcida - como se fossem o "lado oculto" a ser visto e considerado como verdadeiro.

Um exemplo é o filme Malévola, no qual a bruxa malvada da Bela Adormecida é apresentada como uma fada traumatizada pela crueldade dos homens, como se isso justificasse suas atitudes (relativizadas ao longo do filme). Indo mais a fundo, o que realmente ocorre é o contrário: não é a vitimização exagerada que gera ficções distorcidas, mas a distorção das ficções é um meio de fomentar esse "coitadismo social".

Vendo e lendo tanto sobre filmes, séries, HQ's, ficções em geral, observa-se que o vilão é retratado como uma pessoa traumatizada por algum motivo e que não conseguiu superar esse trauma de forma saudável, então suas ações buscam "por pra fora" aquilo que o fere por dentro. No fundo, seriam vítimas apenas de si mesmas.

Falar que os atuais vilões são vítimas da sociedade, ou dos pais, ou de qualquer outra coisa, é justificar sua maldade, e permitir que eles continuem causando danos. Isso torna o herói um malfeitor, pois estaria combatendo uma vítima da sociedade na qual ele representa. Confuso, mas esclarecedor.

Usar a ficção para entender a realidade é uma forma de se chegar ao fundo de questões aparentemente sólidas e comuns, além de entender as tendências de pensamentos que querem inserir na sociedade e nos debates públicos ao longo dos próximos anos.

Comentários