terça-feira, 13 de outubro de 2015

Essa tal Neutralidade


Conforme avanço rumo ao nível da Neutralidade, vejo minhas atitudes mudarem consideravelmente, até mais do que quando saí do Orgulho e cheguei à Coragem. Não são mudanças sutis de palavras e atitudes, é uma forte mudança para o... Cagar e Andar da vida. Essa expressão é proporcionalmente pesada à mudança: as coisas começam a perder todo o sentido, você não joga mais aquela carga emocional, e o racional começa a despontar. Sim, você começa a pensar mais logicamente nas coisas, sem se ater àquela emoção desenfreada e arrebatadora.

Aquela energia da Coragem vai dando lugar aos poucos à hibernação da Neutralidade. É como se você voltasse para si e sua carapaça ficasse cada vez mais dura, a ponto de nada do exterior te atingir (pelo menos não com a mesma força de antes). Pode parecer algo negativo, mas é algo muito bom de se acontecer. Você ganha autoconfiança e começa a desenvolver seu autocontrole. É quando você pode dar opiniões puramente imparciais em diversas situações. Você não precisa mais dar sua opinião, nem querer convencer o outro de que está certo ou que tem razão.

Parece que Neutralidade é algo fundamental para viver nos dias de hoje, para lidar com situações e pessoas nocivas. Hawkins afirma que o nível médio de consciência da humanidade é 207, Coragem. Aos poucos as pessoas deixam o Orgulho para assumir as rédeas da própria vida, só que até abandonar de vez o nível anterior, muitos revezes ocorrem, e o risco de queda é grande. Dar um passo de cada vez para evitar retrocedimentos. É complicado, e ter pressa é desnecessário.

Outro detalhe interessante é que a partir da Neutralidade algumas coisas começam a "bugar", como a Astrologia. Os mapas astrais mais precisos falham perante pessoas de consciência elevada - assim como diversos outros testes. Magia também começa a não surtir efeito, sem precisar de nada para se proteger - você se torna autoprotegido pela própria consciência. Sim, a progressão da consciência afeta o nível energético e o ambiente a sua volta e energias lançadas para prejudicar acabam voltando contra quem lançou.

Mas não adianta ansiar pela Neutralidade, nem correr atrás dela (que coisa maluca...), pois isso afasta a pessoa do novo estado de consciência. Afinal, é um estado de consciência que não anseia, não deseja, ele apenas acontece. E deixar acontecer, ter paciência, é algo complicadíssimo. Essas são minhas impressões a respeito, afinal, estou em transição, e ainda há muitas coisas a mudar. No futuro escreverei mais posts a respeito, e provavelmente haverá outra opinião.

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Ao clicar em enviar, aparecerá uma caixinha de confirmação.