terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Cultivando Amor-Próprio


Amor-próprio lembra uma acerola: para crescer e frutificar, ele tem que ser bem cuidado, estar em terra boa, com luz, sombra e água agradáveis. Só assim, quando estiver grande e firme, pode resistir às intempéries. Amor-próprio não pode ser forçado, afinal você está lidando com você mesmo. É aprender a gostar de si mesmo, admirar a si mesmo, e querer se melhorar para si continuamente. A diferença do amor-próprio para o egoísmo é que este último tende a prejudicar os outros em benefício, enquanto aquele reconhece seu lugar no mundo e tenta torná-lo mais bonito possível.

Confesso que eu não conheço a árvore de acerola de forma técnica, não sei se ela realmente resiste à imprevistos climáticos ou de solo, mas vamos levar de forma metafórica que não dá prejuízo a ninguém.

Muitas pessoas tendem a colher amor-próprio sem ao menos terem plantado: não adianta cuidar de si mesmo se não gosta de você. O resultado é artificial, falso. Há uma grande diferença entre a pessoa que se cuida por obrigação e que se cuida por amor: a que se cuida por obrigação quer manter uma aparência aceitável para os outros, a que se cuida por amor exala beleza sem se preocupar com a opinião alheia. É algo confuso porque segue os padrões de beleza ao mesmo tempo que foge deles: cuidar do corpo, da pele, do cabelo, da saúde, das gordurinhas, das roupas e até mesmo dos sapatos.

Quando se cultiva o amor-próprio, os gastos começam a surgir de forma natural: uma roupa mais confortável, uma alimentação mais balanceada, sapatos confortáveis, atividade física mais eficaz. Não é a busca desenfreada de algo que preencha um vazio interior, mas uma manifestação da beleza que há dentro de cada um de nós. Nessa hora vemos o estrago causado por nós mesmos ao longo dos anos. Chega a ser algo constrangedor. Em alguns casos, só é possível amenizar essas marcas, mostrando a nossa superação.

Valorizar a si mesmo é uma forma de valorizar as pessoas. Quando você se aceita, passa a aceitar as outras pessoas também. Pessoas que julgam tendem a ser muito cruéis consigo mesmas, exigindo-se o máximo ou mesmo cultivando uma autoimagem negativa, de que não consegue superar as próprias expectativas. O caminho não é esse: você não é perfeito, não adianta se exigir mais do que realmente é, muito menos as outras pessoas. Isso não significa que você seja uma má pessoa, pelo contrário: você está valorizando quem realmente é, e todos nós somos pessoas fantásticas procurando desenvolver seu potencial da melhor forma possível.

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Ao clicar em enviar, aparecerá uma caixinha de confirmação.