terça-feira, 31 de maio de 2016

Salvação - além da religião


Boa parte das pessoas conhece o conceito cristão de Salvação - no qual a pessoa tem que ter boa conduta nesta vida para estar junto de Deus quando for embora. Poucos sabem que o conceito de Purgatório surgiu na Idade Média - o Inferno seria a casa de purgar, onde as almas seriam purificadas e assim adentrar ao Céu, e que por divergências documentais surgiu um lugar próprio chamado Purgatório. Mas o que quase ninguém sabe é que a Salvação vai além de um conceito cristão, e sobretudo de um conceito religioso, tornando-se um objetivo de vida.

Para entender isso, temos que começar com a seguinte premissa: o mundo é injusto aos nossos olhos. Nós tendemos a considerá-lo injusto, e para nós o é. Isso faz com que tentemos mudá-lo do nosso jeito, das mais diversas formas: seja atuação política, seja participação social, seja de outras formas... Existe o sonho de mudar o mundo e fazê-lo melhor - a utopia de uma sociedade ideal. Só que o que é certo para uns não é certo para outros. E aí surge o racha: nós e outros, eu e o Outro, o certo e o errado.

Busca-se um diálogo, mas o ego quer se impor - afinal, ele acha que sempre está certo (principalmente os menos evoluídos). Mesmo quando se evolui, e se começa a acertar e a ter razão, o ego abaixa a bola e busca não se impor - ele começa a aceitar que as pessoas têm opinião e que são livres para escolherem seus caminhos. Não é uma relativização do certo e do errado, estes conceitos são subjetivos pois se baseiam em nossos valores e no Bem e Mal absolutos (que existem dessa forma, disfarçando-se de diversas coisas).


Ao entender que cada pessoa tem sua visão de certo e errado e que poucos realmente conseguem se impor sobre muitos (Hawkins fala em seu livro que poucos evoluídos conseguem neutralizar massas involuídas), as coisas não serão do nosso jeito. Não dá para dar murro em ponta de faca - a frustração torna-se algo constante. A saída é aceitar que as coisas são assim, e que não vão mudar como desejamos, mas longe de ser pessimista, isso libera uma quantidade tremenda de energia para mudarmos nossas próprias vidas, para nos adaptarmos ao mundo.

É aí que está a salvação pessoal: você se dá o melhor ao mundo, independentemente do quanto ruim e injusto ele o seja. A ideia de uma decadência vem da nossa frustração de o mundo não ser o que realmente queremos, então ao invés de mudá-lo, nos mudamos. Nos adaptamos para ser pessoas melhores a cada dia que passa, por nós mesmos e por quem amamos. Salvar as pessoas, neste caso, seria ajudar as pessoas a crescerem, se desenvolverem, e darem um rumo melhor a suas vidas. Isso é amar: não espere nada em troca, tenha fé e confie em si. É isso que realmente pode fazer um mundo melhor.

2 comentários:

  1. Renata! Que texto mais lindo! (Salvação x Religião).. Agradeço a generosidade do compartilhamento! <3

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário. Ao clicar em enviar, aparecerá uma caixinha de confirmação.