terça-feira, 14 de junho de 2016

Consertando heróis e protegendo sonhos

Era um assunto que eu iria pontuar há algum tempo aqui, mas acabei deixando as coisas acontecerem antes. Nessa onda de filmes onde super-heróis se enfrentam para demonstrar sua humanidade, ou mesmo na onda de anti-heróis que arrastam grande público, fico imaginando onde a humanidade vai parar. Os super-heróis foram criados para serem exemplos às pessoas, para seguirem seus sonhos, para terem um ideal. Se for viajar um pouco na maionese, essa teoria lembra os santos católicos - mas aí é outra história.


O herói transcende o individual em nome de um coletivo - salvar o planeta, o universo, seja lá o que for. Possui ética inabalável e é incorruptível aos seus princípios. Não é uma pessoa perfeita, mas busca superar-se continuamente, além de não se deixar levar pelos problemas. O trabalho em equipe é harmonioso, e mesmo divergências são resolvidas entre si, sem precisar de confrontos externos. Pois é, deveria ser assim.

Estamos em uma época de valores distorcidos. Não adianta argumentar que isso é discurso de vó/pai/velho, pois isso só impede o crescimento como pessoa. Distorcer e relativizar parecem coisas boas, mas hoje em dia são usadas para corromper e não para evoluir. Destrói-se a base sem se construir uma nova - o mundo se liquefaz. Em quem confiar? Quem irá nos defender? Nossos heróis roubam e matam sem motivo, enfrentam-se uns aos outros.

Não, não precisamos de novas referências enquanto pudermos confiar nas antigas. E não precisamos distorcer padrões velhos para criar novos. Os verdadeiros heróis são exemplos de vida - mesmo que não se autointitulem como tais. Estão tirando isso da vida e nada colocando no lugar. Estamos perdendo referências... Fora que isso também é uma fuga para não evoluir: se seres tão evoluídos cometem erros e possuem fraquezas, por que nós não?

Aí está o diferencial do herói: ele supera seus erros e fraquezas, e busca tornar-se melhor a cada dia. Somos heróis quando fazemos isso e nos tornamos exemplo para outras pessoas. Sim, as pessoas precisam disso - todos nós precisamos. Distorcer um exemplo para apenas nivelar por baixo nosso potencial não nos liberta, muito pelo contrário: ficamos presos em nós mesmos. Nos libertar, nos superar torna-se algo condenável pelos nossos pares, que consideram autoconfiança como arrogância e determinação como presunção.

Permita que o idealismo volte para sua vida. Super-heróis não precisam existir de carne e osso para existirem na nossa mente. Não precisamos inventar uma desculpa quando não queremos algo. Não queremos e ponto. Isso precisa ser respeitado. Heróis precisam ser respeitados como tais, e querer ser um (principalmente para si mesmo) é algo louvável. Salvar a si e aos outros vai além da teologia - mas isso é assunto para outro post.

Não creio que seja uma forma de escapismo, afinal, você não está fugindo da realidade: você está nela agindo nela e por ela. Isso é transformar sonhos em realidade. Não se vive uma ilusão: se molda a realidade da melhor forma possível. Sim, realidade se faz com sonhos, com ideias, com coisas boas...

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Ao clicar em enviar, aparecerá uma caixinha de confirmação.