terça-feira, 18 de outubro de 2016

Premissas do Reiki


Além dos cinco princípios, o Reiki possui algumas premissas que o diferencia de outras técnicas terapêuticas ou mesmo de manipulação energética. Pode-se dizer até que são alguns dos motivos que atraem tantos praticantes, tornando uma das técnicas mais praticadas no Brasil, de acordo com o SUS. No entanto, há pontos a serem refletidos a respeito, que irei compartilhar aqui.

Reiki funciona apenas pelo bem maior

À primeira vista isso soa maravilhosamente bem: Reiki não age se não há propósito elevado. Você não conhece prejudicar nenhuma pessoa utilizando o Reiki. A questão é: o que é melhor para a pessoa? Muitas vezes, pensamos que devido a isso a pessoa não irá sentir dor, não irá sofrer: ela será magicamente tratada pela energia universal. Ela irá sim: os problemas virão à tona, como acontece no tratamento floral. A pessoa sentirá dor, irá chorar, mas é necessário: é o melhor para ela.

Uma situação importante é a respeito da morte: nenhuma pessoa morre de Reiki ou devido a alguma aplicação, muito menos o reikiano "matou a pessoa" durante a sessão. Morrer é parte da vida, e tem hora que é necessário partir. Se a pessoa faleceu durante a aplicação ou depois, tenha certeza que foi em paz.

Reiki é uma energia inteligente

Energia não é inteligente per si, muito menos o Reiki. Existe a ideia de que o Reiki vai à origem do problema para saná-lo. Sim, ele vai, independente de onde esteja: em outra parte do corpo, em outra situação, em outra vida (Reiki viaja pelo tempo-espaço). Mas para isso funcionar, é necessário que a energia seja focada no problema em questão: não adianta aplicar Reiki em apenas uma posição na crença de que ele irá para onde precisa "sozinho". Isso é bom quando não se está tratando uma causa específica e/ou não há tempo disponível.

Reiki não é influenciado pelo aplicador

Talvez este ponto cause polêmica, mas o aplicador influencia no Reiki sim. Existe a ideia de que o Reiki flui pelo reikiano e vai para o receptor (utente, paciente, cliente, assistido) sem sofrer nenhuma influência daquele, e que parte da energia fica no aplicador. Cabe uma reflexão mais aprofundada sobre o assunto.

Partindo da premissa de que o Reiki não é uma energia inteligente, conclui-se que o reikiano pode influenciar esta energia, podendo até prejudicar alguém, conforte seu nível evolutivo. O Reiki pode ser anulado pelo próprio reikiano e a energia transmitida ser outra. Entretanto, veicular esse tipo de informação pode ser o fim do Reiki, mas pense bem: quantas pessoas que se dizem "elevadas" são nocivas para nós? Religiosos, esotéricos, gurus... Uma pessoa realmente evoluída emana uma energia refinada: o Reiki é potencializado nesses casos.

Volta-se ao Gokai como uma filosofia de vida a todo reikiano. Seguir estes princípios ajuda a crescer em todos os aspectos da vida. Quem está começando, sugiro que desenvolva a auto-aplicação e cresça com os cinco princípios. Assim a energia poderá fluir pela pessoa de forma pura, beneficiando aplicador e aplicado.

Reiki não pode ser aplicado durante cirurgias ou sangramentos

Dizem que a energia Reiki pode aumentar o sangramento como forma de expulsar energias negativas, podendo ser prejudicial ao receptor. Isso mostra uma dupla contradição: se o Reiki é uma energia inteligente que não prejudica ninguém deliberadamente, em um sangramento poderia se pensar justamente o contrário, não? Neste caso, cabe a lógica: o Reiki irá agir como deve agir, pelo bem da pessoa.

Há também o fator anestésico na jogada. Li recentemente que não se deve aplicar Reiki enquanto a pessoa está anestesiada, já que o efeito da anestesia se perde. Isso é algo a ser estudado mais seriamente, pois além de ser um fato contraditório - poucos dizem isso, mas os poucos que dizem têm credibilidade - acarretaria uma série de restrições a posteriori, pondo em risco a prática como um todo.

O que pode acontecer é: se uma pessoa estiver recebendo Reiki durante a cirurgia e a mesma for falha, a culpa seria automaticamente lançada ao reikiano. Lembre-se que o Brasil é um país onde determinadas classes profissionais são vistas como infalíveis em seu trabalho. Não duvido que já tenha algum profissional de saúde que apontou o dedo na cara do reikiano para dizer que o mesmo "matou" o paciente. Isso é jogo de interesses, polêmico por si só.

Encerando...

Entender o Reiki requer estudo, muito estudo, e prática, muita prática. É necessário sentir para tirar as próprias conclusões. Ir além do que o mestre ensina é parte do processo de aprendizado, já que dessa forma o conhecimento é consolidado. Cada reikiano tem sua forma única de sentir e aplicar Reiki, que evolui ao longo do tempo e da experiência. É algo a ser vivido.

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Ao clicar em enviar, aparecerá uma caixinha de confirmação.