Postagens

Mostrando postagens de 2017

O Caminho do Meio

Imagem
É muito bonito falar sobre o Caminho do Meio , e na filosofia pseudo-evoluída de hoje em dia. Pseudo porque ela é baseada na vaidade do indivíduo e não na superação da mesma, em transformar de fora para dentro e não de dentro para fora. Caminho do Meio é um lugar comum para dizer que a pessoa não se baseia em nenhum extremo: "não concordo, nem discordo, muito pelo contrário" , já dizia alguém na televisão. Só que... só existe um caminho: o seu. Quando diz seguir o Caminho do Meio, a pessoa simplesmente adota ambos os extremos que diz rejeitar e os usa da forma que julgar mais conveniente. Ela está mais oscilando pra lá e pra cá do que seguindo em frente propriamente dito. Ao invés de seguir o próprio caminho, acaba por seguir o que outras pessoas seguem, o que não leva a lugar algum. Já dizia a piada: "se seguir pelo meio você apanha dos dois lados". A transcendência propriamente dita está em superar os opostos e ver que são uma coisa só, manifestadas de for

Entrando em outro sistema

Imagem
Percebi que nesses dias que se passaram muitas pessoas estavam comentando sobre o filme Matrix , que estava disponível no Netflix. Achei interessante as pessoas conversarem sobre manipulação e sistemas, terem um vislumbre da programação de que são feitas, mas infelizmente parou por aí. Pior: pessoas dizendo que saíram da caverna , acusando um grupo ou outro de manipular. Bom, não estou aqui para tirar sarro de ninguém, mas não deixei de esboçar um sorriso após essa afirmação. Primeiramente, Matrix é uma trilogia, só ficar no primeiro filme não explica muita coisa, principalmente para quem não é da área. Nessa toada, quem tem aquela sensação de que saiu do sistema só de ver o filme , com raríssimas exceções, entraram em outro sistema. Afinal, seria ingênuo pensar que um sistema não conhece suas próprias falhas. Só para deixar um spoiler, o terceiro filme, Matrix Revolutions, parece contradizer as ideias do primeiro filme, mas na verdade é a melhor alternativa para a situação aprese

Direito do Desejo x Direito da Percepção

Imagem
Com essa noção de que devemos ser tratados como nos sentimos ser abre espaço para uma discussão que seria interessante se não fosse tão infantil. As pessoas hoje em dia querem ser tratadas como acham que são, causando uma tremenda confusão, já que cada pessoa percebe a outra de forma diferente. Hoje em dia, você pode se declarar qualquer coisa : um cavalo, uma ave, uma planta até. E exigir ser tratado como tal. Para quem lê o blog sabe a falha que isso é: primeiramente porque o desejo é algo extremamente fugaz. "Hoje eu sou planta, amanhã serei um cachorro, e a cada dia que passa, quero ser tratado da forma como eu sinto ser". Com um agravante: "ai de quem me tratar diferente! Ai de quem me olhar e dizer que sou algo diferente do que eu me sinto ser! Isso é preconceito, é alguma-coisa-fobia , e tenho direito a reparação (em dinheiro, claro). Afinal sou uma pessoa livre para ser quem eu quero ser". Por outro lado, quando alguém se utiliza do direito do desejo

Os quatro grandes pilares

Imagem
Apesar da aparência de um post político, esta não foi a intenção. Os assuntos se entrelaçam, e não há muito o que se fazer. Também não adianta apenas navegar mais e mais fundo dentro de si, se não se traz esse conhecimento para fora . A ideia é fugir da equação previsível, com o maior afinco possível, pois por mais que se estude e se viva, a impressão que dá é que andamos em círculos. Indo na levada da Reserva de Mercado , e fazendo um paralelo com Divergente e Matrix , existe na sociedade quatro grandes pilares que a sustentam, como grandes reservas de mercado. A Academia: o "conhecimento da realidade"; A Igreja: ou as instituições religiosas; As Leis: a ordem social; A Desordem: tudo o que não se encaixa nos pilares anteriores. Entenda que isso por si só não é algo negativo. É algo necessário para o animal humano sobreviver. O ser humano precisa de ordem - ele não consegue viver sem. É uma parte de seu instinto controlar e ser controlado. Nessa deixa, a p

Religião da Paz?

Imagem
Engalfinhei-me com uma pessoa no WhatsApp (deu pra entender que usei a palavra no sentido figurado, né?) por causa de religião. Não por uma ser melhor que a outra, longe disso, mas pela ideia vigente de que há religiões que não pregam valores elevados, sendo uma em específico. O problema é foi que tal pessoa colocou tudo no mesmo saco, tirando só a que ela praticava. Pior do que isso foi uma terceira pessoa enviar mensagem no privado tentando me constranger, e soltou a seguinte pérola: "Para política, só existem três religiões". Estudo consciência e evolução há alguns anos e percebi que há duas manifestações dentro de cada religião: a institucional e a dogmática . Na primeira, há a atuação "formal" da religião; na segunda, o terreno da fé, que acaba por transcender a primeira. Muitos, por exemplo, se dizem cristãos sem seguir uma igreja em específico, mas pela fé que têm em Cristo. As críticas de Gil Vicente contra a Igreja de sua época foram aprovadas pela Inqu

O animal humano

Imagem
"Eu nunca vi na natureza uma flor tentando ser um leão Eu nunca vi na natureza uma cobra tentando ser um gavião" Homem do Brasil - Bicho Estranho O ser humano é um animal, como qualquer outro . Talvez você tenha visto isso em uma aula de biologia, mas com tantas ciências humanas acabou deixando isso de lado. É algo meio opaco e esquecido. Fala-se de progresso e civilização, superação dos instintos pela consciência. Os conflitos de hoje em dia estariam ligados aos instintos animais que ainda persistem na humanidade . A biologia estaria em conflito com a sociologia, antropologia e afins... Sob o prisma evolutivo, chega a fazer sentido a tentativa de abandonar os instintos com o intuito de despertar a própria consciência. Há a impressão de abandonar o lado animal em nome do lado humano , mas... o ser "humano" é um animal como qualquer outro. Ou seja: o caminho evolutivo está justamente em trabalhar os próprios instintos. Despertar a consciência não é aband

O Vazio

Imagem
Para haver algo, é necessário nada haver primeiro. Para que o Todo surja, é necessário que Nada exista. Para encher um copo, é necessário esvaziá-lo antes. E depois de Tudo, o Nada retorna naturalmente. Parei para pensar nisso depois de reparar que as pessoas acham que o Vazio, o Nada, é um estado "antes" de acontecer algo, sem importância em si. Muitos o temem, poucos realmente o entendem, mas todos o vivem constantemente. Sempre haverá aquele momento de "nada para fazer". Sempre haverá aquele momento no qual as ideias somem, as palavras perdem sentido, e o fazer alguma coisa torna-se nulo. Não adianta forçar a barra, fazer algo que será inutilizado depois. Para quem quer praticar meditação, é o momento perfeito para entendê-la e vivê-la. Não o preencha. Não faça nada, nem reprima nada. Acho interessante o temor que as pessoas têm pelo Vazio: a ânsia de preenchê-lo faz com que as pessoas façam coisas absurdas - entram aí os vícios. Seja por compras, por álcoo

Evolução quântica

Imagem
quântico (adj): fís.quânt que diz respeito a um sistema físico cujas grandezas físicas observáveis assumem valores discretos, de tal modo que a passagem de um determinado valor para outro ocorre de maneira descontínua , segundo as leis da mecânica quântica. (grifo meu) Retirado do dicionário do Google Vulgarmente falando, quântico seria sinônimo de aleatório, ou melhor, de um sequencial aleatório, sem uma lógica conhecida. Isso ocorre no processo evolutivo, sendo mais perceptível a partir do nível da Neutralidade (250), quando lições mais elevadas são conscientemente percebidas. É normal que a pessoa tenha vislumbres da Paz (600), ou mesmo da Iluminação (700), mesmo apanhando para subir para Disposição (310) ou mesmo para a Aceitação (350). De 20 a 175 (da Vergonha ao Orgulho), não existe uma definição fixa do estado de consciência da pessoa, que oscila continuamente. A evolução não é um processo linear, mais parece com idas e voltas e rodopios. Contudo, é possível notar que há

Reserva de Mercado

Imagem
Reserva de mercado é uma área de controle de determinada programação. O exemplo mais clássico é o filme Matrix , no qual o sistema é uma grande reserva de mercado, programando e controlando quem está sob seu julgo. Este conceito é pura abstração, e uma das ideias mais próximas do que seria o sistema em si . É normal ver pessoas contra o sistema , no entanto estão presas a uma visão limitada do mesmo: o Capitalismo seria um sistema, o grande mal da humanidade. Acham que destruir esse sistema seria uma forma de libertar a todos e resolver tudo o que há de "errado". As reservas de mercado buscam controlar, sobretudo para conquistar mais poder e influência, e assim se autopreservar. Existem em todas as áreas da sociedade, sejam materiais (como profissões), sejam mentais (como instituições religiosas). Inclusive há reservas de mercado voltadas à evolução: grupos de meditação, de filosofias alternativas, etc. Mesmo que alguns preguem estar fora do sistema , apenas atuam na manut

Como é dentro, é assim fora, ou Como os oráculos funcionam

Imagem
Talvez seja um princípio mais perceptível que as próprias leis da Física - na minha opinião, deveria ser uma, rs. Como as pessoas são programadas , suas ações e pensamentos são previsíveis e mapeáveis, além do mais, estas acabam por ressoar de diversas formas: o interior reflete no ambiente e vice-versa. O oráculo seria um estudo do interior através da representação exterior - suas previsões seriam oriundas do automatismo da inconsciência da pessoa, por mais consciente que ela diga ser. Um ambiente ruim, seja de trabalho, seja em casa, é reflexo de algo que ocorre na pessoa. Tudo está interligado, e é impressionante notar como uma simples mudança de atitude pode mudar situações inteiras. Por isso a tomada de consciência, de estar presente, ou seja lá o nome que for para despertar ou sair do sistema é tão importante: as coisas realmente começam a acontecer. E conforme a consciência se desenvolve, mais é perceptível como as pessoas vivem em automatismo, com seus problemas enraizados

Reiki ao Planeta - por que não recomendo

Imagem
Nessa iminência de guerra mundial, pediram-me para enviar Reiki ao planeta para acalmar os ânimos - fazer com que as pessoas caíssem na real e deixassem de lado essa ideia "boba". Parece algo muito bonito de se fazer, mas, analisando a fundo, é algo arriscado e, na minha opinião, desnecessário. Cada pessoa é em si um reflexo do planeta, ou seja, se o planeta vai mal, em você a coisa não está boa também. O que se tem hoje em dia é uma agressividade reprimida, pronta pra explodir a qualquer momento, que ao invés de ser liberada, é mais e mais reprimida - afinal, "não se pode ser violento" . O envio de Reiki coletivo é comumente ensinado no Shinpiden (Reiki IIIa), mas pode ser praticado mesmo no Shoden (Reiki I). Para alguns mestres, enviar Reiki ao planeta é uma obrigação equivalente a recitar os Cinco Princípios todos os dias. No entanto, como toda aplicação, o envio de Reiki ao planeta traz à tona problemas que estão enraizados há muito tempo, nos quais as pes

Sobre a Caridade

Imagem
Caridade é um conceito complexo e nobre. É algo bem visto pelas pessoas, mas nem sempre bem feito. Ajudar quem precisa de ajuda, independente de quem seja, ou qual situação, é caridade. O importante nessa prática é não esperar por uma devolutiva, seja ela direta ou indireta. A confusão está, sobretudo, em dois aspectos: o primeiro, a pessoa doa por vaidade sem perceber (apenas para se dizer caridosa ); segundo, quase sempre a pessoa espera uma devolutiva para si. Muitos pensam que a caridade é apenas para pessoas em situações extremas, em situação de miséria, mas não. Ajudar o colega de serviço, sem esperar nada em troca, mesmo dando tudo errado, é caridade. O importante é estender a mão quando o outro precisa (e quando o outro o aceita, só que nem sempre), independentemente de quem o outro seja. Os pobres são cuidados, os ricos são esquecidos. Caridade não é só comida e cobertores. É uma palavra amiga, um gesto gentil, sem esperar nada em troca (nem um obrigado). A compaixão é o

O que move este mundo

Imagem
Infelizmente se engana quem pensa que este mundo é regido por valores elevados. Quem está atento à "realidade" das notícias, do Big Brother , e das fofocas de WhatsApp e Facebook percebe que as duas coisas que movem este mundo são a vaidade e o medo , sendo aquele a principal consequência deste. Não adianta negociar, dialogar, as pessoas agem porque se sentem coagidas a tal - conscientemente ou não. Dependendo com quem se conversa, ou você é iludido, enganado, ou foi tempo gasto em vão. Se impor pela força torna-se questão de necessidade. A força é a única coisa com a qual falsidade não consegue se impor. Por isso que hoje em dia ser forte é algo tão condenado: é considerado algo extremado, desnecessário à civilização, onde todos são iguais. Além desta última premissa ser falsa, o que se percebe é um acovardamento das pessoas, que buscam resolver as coisas ora com jeitinho , ora com maldade. É possível perceber isso nas brincadeiras de hoje em dia: uma pessoa ofende cl

O sofrimento é uma ilusão?

Imagem
Questionaram-me por que eu vivo sorrindo , com a justificativa de que eu estaria tentando mascarar algum sofrimento. Achei uma pergunta interessante, e me pus a refletir para responder. É um exercício muito gostoso de ser feito, pois dá permite uma autocrítica sincera e produtiva. Primeiramente, o sofrimento é real , ele existe sim, isso não pode ser negado. Negar tira todo o controle da situação, ela continua ocorrendo sem consciência da pessoa. Aceitar que o sofrimento existe é um passo importante na progressão da consciência, pois permite que possa ser tomada uma atitude efetiva a respeito. O sofrimento é algo ruim? Depende da postura adotada, da resposta que é dada. Sofrer o sofrimento ajuda? Até certo ponto sim, é o chamado luto, necessário para seguir em frente. O luto é algo difícil de lidar, apesar de ser um nível de consciência relativamente baixo. É aquele baque inicial de algo inesperado, geralmente algo negativo. Há um limite para o luto - como tudo na vida, ou quas

Milagres são muito bonitos na Bíblia

Imagem
Não pense nesse post como algo cristão . A ideia é refletir sobre a hipocrisia que existe em relação ao sobrenatural , aos milagres de forma geral. Muitos adorariam que tudo caísse do céu , e a vida fosse resolvida num passe de mágica - só pensar nas frases relacionadas à loteria. Entretanto, quando um milagre realmente acontece, ele é rejeitado e às vezes repelido pela própria pessoa que o desejou. As coisas acontecem não do jeito que se quer, mas do jeito que é necessário. As pessoas tendem a se acomodar com seus problemas. Por mais que queiram que estes sejam resolvidos, no fundo, lá no fundo mesmo, o desejo é de que o problema permaneça. Motivo? Ele traz vantagens : a pessoa conhece seus mecanismos e sabe se adaptar ao mesmo, além de que resolvê-lo é criar um novo problema - as pessoas não gostam de novos problemas, pois estes são desconhecidos. Problemas e traumas são prazerosos: há quem diga que liberam neurotransmissores nos quais a pessoa se vicia, como uma droga. Outra

Trolls

Imagem
Época esquisita, onde vampiros se alimentam de sangue animal, minions são amarelos e trolls são fofinhos... Os filmes infantis acabam por ensinar coisas importantes para qualquer idade. Acabo por preferir filmes infantis a um gênero mais "adulto" pela simplicidade, emoção bem dosada e pelas cores alegres e vibrantes. Os filmes para um público "adulto" acabam sendo sombrios e melancólicos nas suas cores, por mais que os temas sejam alegres. Mesmo os filmes de comédia andam sem graça . Este filme é uma boa reflexão sobre alegria e felicidade. Os trolls são seres animados, que cantam, dançam e se abraçam o tempo todo, e alimento dos bergs , seres que lembram os trolls da mitologia (os de verdade?). O efeito que o troll causa em um berg é de uma tremenda alegria e contentamento - isso mesmo, como uma droga. Os trolls então organizam uma fuga de sua árvore, mas acabam sendo descobertos e raptados. O desenrolar da trama poderia até ser chamado de à procura da felicid

Ingratidão

Imagem
Greve para mim é uma manifestação de ingratidão. A pessoa não agradece pelo que tem, nem tenta se mover para melhorar a própria vida sem querer atrapalhar a dos outros. Bom, é a minha opinião - se ficou desagradado com ela, sugiro não terminar de ler este post, mas fica o convite a fazer uma reflexão diferente (e interessante) sobre o assunto. Você é feliz com o emprego que possui? Busca se aprimorar pensando em melhorar a qualidade do próprio trabalho (não pensando somente em vantagens financeiras)? Toma atitudes pela empresa e pelos colegas ou acaba deixando as coisas "escorregarem das mãos"? E com o salário que ganha? É possível pagar as contas, se permitir alguns "luxos" e sobra um pouco para emergências? Esqueça toda e qualquer análise externa (política, econômica, fofocas) - aqui a questão é analisar a própria vida, que é vivida por você , não pelos outros. Basicamente, se sim: por que não agradecer pelo que tem e se melhorar a cada dia, independentemente

Kung Fu (série)

Imagem
Ao se pensar em kung fu, a primeira coisa que vem à mente é alguma cena de filme de luta, na qual o protagonista faz movimentos surreais para derrubar seus oponentes. Depois alguma sequência de movimentos de treino, e se houver tempo para isso no filme, alguma cena de meditação. Hoje em dia as pessoas consideram tudo mera ficção e mesmo a arte marcial em si como pouco eficiente. Uma arte marcial não pratica somente luta, para começo de conversa. Como arte, a técnica se adapta ao praticante e este se transforma através do treino constante. A prática extravasa da academia e passa a fazer parte do cotidiano. Não só os movimentos mudam, a forma de pensar também. Não é um mero exercício físico, como alguns pensam: é para o ser como um todo, para a vida toda. Talvez sem essa introdução fique mais difícil entender a proposta da série estrelada por David Carradine (é, o cara do Kill Bill) na década de 1970. As cenas de luta da série ficam relegadas a partes esparsas, nas quais o protagonis

Kung Fu Panda 3 e o Reiki

Imagem
Não poderia deixar de traçar paralelos e analogias entre o filme a prática do Reiki. É algo que gera mimimi , porque afasta o Reiki daquela visão mística que a maioria das pessoas tem e o aproxima do que ocorria na época de sua criação. O filme acaba por convidar os mestres de Reiki a uma reflexão mais profunda sobre a própria prática, e acaba por dar um novo rumo a quem trilha por este caminho. Nessas horas, é bom deixar um pouco de lado o que é e o que não é Reiki, afinal, além de isso ser visível (para não dizer óbvio), é um ensinamento muito simples e sutil. A base do Reiki ( Usui Reiki Ryoho ) são os Cinco Princípios , algo que a maioria dos reikianos deixa de lado logo após o Nível I. Recitar os Cinco Princípios de manhã e à noite não é apenas um exercício mecânico: é algo a ser vivido a cada momento - só por hoje. É o começo para tornar-se uma pessoa melhor a cada dia. Não significa ser infalível, mas dar o melhor sempre, sem comparações a não ser consigo mesmo - a famosa aut

Não, nunca, jamais: reaprendendo a usá-las

Imagem
Dizem que viralizou na internet (que termo doentio, com trocadilho e tudo o mais) uma discussão entre duas mulheres a respeito de uma delas não ter deixado o filho da outra brincar com uma action figure (existe um termo para isso que a reportagem esqueceu de pesquisar - e pelo visto nem a dona sabia). A briga gerou em torno do fato do objeto em questão ser um brinquedo, e por ser um brinquedo, a criança poderia brincar com ele. A questão vai mais fundo: e se realmente fosse um brinquedo de brincar , a criança poderia pegá-lo, mesmo sem o consentimento da sua dona? Apenas o "não" não seria justificável? Independente do que seja, de brinquedos a panelas, o não, porque eu não quero é um argumento por si só, e deve ser levado em conta como qualquer outra justificativa. No caso, ao invés de a mãe trabalhar a frustração do filho e ensinar-lhe sobre respeito e aceitação, a mesma tomou as dores para brigar por algo vazio. O não impõe limites , e isso não é uma coisa negativa.

O Mundo de Sofia

Imagem
Para mim, este livro talvez seja um parente distante do Matrix ou mesmo do Divergente , já que todos eles abordam o mesmo assunto de diversas formas: vive-se num mundo ilusório, e sair dele é parte da trama (objetivo ou não), além de toda uma reflexão a respeito. Enquanto que em Matrix sair do sistema é tomar as rédeas da própria vida e ter consciência das próprias escolhas, em Divergente não há uma noção clara do mundo em que se vive, até que outro mundo se descortina para além dos limites então conhecidos. Já n'O Mundo de Sofia, é visto um pouco de cada aspecto: ao estudar filosofia, toma-se conhecimento de que vivem em uma ilusão, e sair da obra torna-se imperativo ante os "desmandos" do autor. Assim como Divergente, é um mundo dentro de outro mundo: Sofia nada mais é que uma personagem de um livro de filosofia que será dado de presente à filha de um militar em missão pela ONU. As realidades se cruzariam e interagiriam entre si: cartões postais ao longo da história

Os fatores e vetores de desenvolvimento do núcleo

Imagem
A evolução pode ser positiva ou negativa , como apresentado em posts anteriores. No entanto, há duas coisas que apontam a direção evolutiva, sobretudo em aspectos específicos: os fatores e os vetores. Para tal, é necessário entender o que seria o núcleo, no qual aqueles agem diretamente. Cada ser é um microcosmo, que ressoa com o macrocosmo (o Universo), infinito e complexo quanto este o é. Este microcosmo seria o núcleo de cada ser, algo tão pequeno, mas extremamente intenso e vasto. O Universo segue este padrão. Talvez o conceito de "pequeno" possa gerar estranhamento, já que é a maior coisa conhecida pelo ser humano, mas ficam as dúvidas e as conjecturas sobre outros Universos e mesmo dimensões. O núcleo é cercado de situações e acontecimentos - os fatores. Estes se alinham conforme suas afinidades evolutivas em torno do núcleo, ou seja, cada "dificuldade", "problema", ou "situação" está ligado a um rumo evolutivo, por assim dizer. Esse

O Jeitinho Brasileiro e suas consequências

Imagem
De uma forma ou de outra, as pessoas conhecem a tão famigerada Lei de Gérson : "gosto de levar vantagem em tudo, certo?" Alguns levam no sentido da "esperteza saudável" , estar atento às coisas, mas o sentido literal do termo é passar por cima do que for (e de quem for) para levar vantagem em determinadas situações. Se para começar, esperteza não é algo inteligente (o inocente não precisa ser esperto, pois ele está aberto às situações), levar vantagem prejudicando deliberadamente alguém é algo... isso deixo para você refletir. É tão fácil levar vantagem sobre as coisas: tá bem na nossa frente, dá pra aproveitar e ninguém vai perceber . Aquela adrenalina, a sensação de orgulho por fazer algo inteligente ... Se eu fosse enumerar alguns exemplos de jeitinho , primeiro que é difícil de escolher os mais emblemáticos, segundo que são muitos e acabaria por diluir o post. As pessoas têm seus próprios casos de jeitinho e convido você a refletir sobre os que acontecem e

O Caminho de Ida e o Caminho de Volta

Imagem
As pessoas seguem o caminho de ida, que chamam carinhosamente de caminho de volta , buscando um novo mundo dentro de si, longe das atribulações do cotidiano. Um lugar puro e verdadeiro , para se repousar eternamente. Quem finalmente chega lá descobre que vai ter que voltar à superfície, uma hora ou outra, estando o caminho aberto e livre para ir e vir. Alguns se recusam a voltar, isolando-se no próprio mundinho. Outros fazem o caminho de volta, sem olhar pra trás , trazendo ao vulgo sua experiência e aprendizado, enriquecendo a todos. Já chamaram isso de dupla-traição : você trai seu grupo em busca de si mesmo (ida), e você trai a si mesmo para voltar ao grupo (volta). Acho traição um termo pesado, por causa de sua conotação negativa, e a busca interior não o é - pelo menos não deveria ser vista como tal. De certa forma, a pessoa que entra em si o faz questionando o que está em volta dela. É inconsciente e até certo ponto energético. Depois de um tempo, as pessoas começam a te olha

Não tenha pressa em evoluir

Imagem
Por mais que um dos assuntos do blog seja o crescimento pessoal, não tenha pressa em evoluir. A evolução já está em não ter pressa para que as coisas aconteçam - elas irão acontecer. Parece estranho, mas evolução não demanda esforço - pelo menos, não no sentido de forçar a barra . Só de haver a vontade em evoluir - aquela vontade genuína, constante - as coisas já começam a mudar. Querer fazer da evolução um hábito, uma prática, corre o risco de tornar-se uma mera fachada de vaidade. Uma questão que fica é se realmente há mudanças. Parece contraditório - o processo evolutivo é cheio de contradições e vazio de lógica - mas a pessoa muda sem mudar de fato. Ela não deixa de ser ela: apenas desabrocha o verdadeiro ser quem é. Ou seja, uma pessoa evoluída é apenas uma pessoa como ela é - com defeitos, manias, e mesmo mau humor matinal. Engana-se que seres evoluídos são doces de enjoar ou aquele estereótipo do zen de Facebook . A maioria dos evoluídos New Age não passam de meros vaidosos

Hipocrisia e questionamento

Imagem
Vi uma reportagem muito interessante sobre pais que se recusavam a vacinar seus filhos por concluírem que aquilo não era bom para eles, o que poderia ser a causa de epidemias de "doenças controladas" pela vacinação. O que me chamou a atenção, contudo, foi a forma de se afirmar que vacinar era necessário. Não havia exatamente uma explicação, ao contrário das pessoas que recusavam a vacinar-se, mas uma afirmação contundente, de que precisava e ponto, e se havia epidemia, a culpa era deles, ponto final. Eu sou a favor da vacinação. É um cuidado que evita muitos problemas, entretanto é um recurso que deve ser continuamente aprimorado como qualquer coisa. Ficar apenas afirmando que "temos porque temos", sem uma justificativa plausível, abre brecha para questionamentos mais e mais fortes. E assim as coisas mudam abruptamente (para não dizer dolorosamente): quando não se está aberto a críticas, estas tomam as rédeas da mudança, anulando até o que havia de bom no estági

Bom senso, senso comum, quem julga quem?

Imagem
Já falei sobre a fragilidade do bom senso neste post . Indo além, o senso comum não é exatamente o que pensam muitas pessoas - como uma cidade ou mesmo um país inteiro - sendo no máximo um grupo pequeno (comparado ao todo) que acaba impondo sua opinião sobre os demais. O senso de justiça seria a opinião de uma pessoa sobre o que seria justo ou não pra ela, indo pelo mesmo caminho do bom senso e do senso comum. Quando se julga algo, quando se dá uma opinião, é algo meramente subjetivo, por mais objetividade que a pessoa tente exprimir, ou seja, de nada valem se o outro assim o achar. Sério: sua opinião não vale nada, a menos que alguém diga que o vale - e valerá apenas para ela, e ninguém mais. A opinião de ninguém é melhor que de outrem. Reflita sobre os famosos formadores de opinião , ou mesmo aquelas pessoas que fazem "sucesso" nas redes sociais. Há pessoas que "vencem" argumentações simplesmente por rejeitar a opinião de outras pessoas. É mais fácil seguir a

A dificuldade da aceitação

Imagem
Aceitar é diferente de conformar-se. Já falei sobre em outro post. E por ser algo complexo e profundo, aceitação e conformação acabam se confundindo. Para Hawkins, a Aceitação vem antes da Razão, e antes da Aceitação vêm a Neutralidade e a Disposição. É um caminho longo e árduo, mas muito gostoso, pois muita coisa é deixada pra trás, como aquela sensação que se tem após um barulho constante cessar. Interessante notar que aceitação e razão são conceitos meio que temidos pelas pessoas. Teme-se aceitar e se conformar com tudo que está em volta, travando-se e deixando de evoluir. Teme-se a razão por pensar que se deixa de lado as emoções, tornando-se um ser frio e desprovido de amor ou compaixão. É bem por aí, mas não é bem isso. Aceitar tudo o que está em volta não é algo ruim, é algo bom e necessário, afinal não se pode mudar os outros. A razão é saber ponderar além da emoção, levando ela em conta, mas no devido lugar. É necessária a razão para se chegar ao Amor, que é logo depois.

Divergente

Imagem
Um livro realmente viciante e interessante. Fiquei de tal forma absorta por ele que não conseguia parar de ler. O interessante é que a história em si não é muito profunda, e o excesso de objetividade deixa a desejar em diversos pontos. Para um livro tão ruim ser tão bom , é porque o que importa é realmente bom . A ideia foi trabalhada a seu tempo, para agradar sua geração - para mim, ela foi mal aproveitada , mas deixa pra lá. Dizer que é uma versão mais atualizada de Matrix também seria exagerado, mas é uma boa analogia. A trama gira em torno do domínio mental entre as pessoas das cinco facções existentes na sociedade: Abnegação, Audácia, Erudição, Franqueza e Amizade. São perfis sociais que trabalham em áreas específicas de forma a promover a paz e evitar a guerra. Entretanto, pessoas são pessoas, e algumas delas querem poder. Para tanto, irão se utilizar as sutilezas mentais para conseguir seu intento. Ao contrário de Harry Potter, onde as casas de Hogwarts formam perfis psicológ

A ignorância seria mesmo uma bênção?

Imagem
A resposta é não, e ponto. Poderia acabar o post aqui, mas aí seria mais prático escrever no Facebook , além do quê a ideia é convidar à reflexão. Após uma situação estafante, onde se descobre tanta coisa amarga, esse mote acaba por resetar a informação recém-inserida na mente. Quem viu o primeiro filme da trilogia Matrix pode já ter imaginado como tudo seria após ingerir a pílula azul, ou mesmo se fosse possível reverter os efeitos da pílula vermelha (mesmo que a simples ingestão da pílula não cause grandes efeitos por si só). Um dos personagens tenta voltar à Matrix, e quase põe a perder toda a missão do Nabucodonosor , expondo a questão de que viver na Matrix seria realmente negativo. Pode-se criar a partir disso três tipos de visão: a ignorância é uma bênção (o caminho de ida), viver imerso na realidade (o que é realidade?), aprenda a forma-esqueça a forma (o caminho de volta). Por mais que o terceiro tipo seja praticamente igual ao primeiro, a diferença é um fator fundamental

Coitadismo social

Imagem
Abordei este assunto em outros posts de forma indireta e mais suave, afinal, esse fenômeno apenas é reflexo do que vem ocorrendo no interior das pessoas nos últimos anos (décadas? Séculos?). O coitadismo social é fruto do vitimismo exacerbado das pessoas gerando mudanças sociais . Empoderamento, opressão, orgulho (ah, o orgulho!) são alguns dos termos usados hoje em dia por pessoas que são sobretudo vítimas de si mesmas, e acabam por projetar em outrem a causa de sua situação. A gravidade desse fenômeno é percebida quando se sugere a evolução da pessoa: adaptação e aceitação são conceitos rejeitados ferozmente por pessoas vitimistas, já que a tiram do estado de vítima e o peso da responsabilidade se faz sentir. Hoje em dia, ter responsabilidade é um ato de coragem pouco incentivado, valorizado geralmente por pessoas mais experientes de vida - idosas ou não. Mesmo os idosos "de idade" de hoje em dia não possuem mais a maturidade dos anos vividos, tentando apegar-se na tênu

Os 17 níveis de consciência humana, segundo David Hawkins

Imagem
Ainda não terminei de ler Power vs. Force , mas estou com a leitura bem adiantada, o que permite escrever sobre o ponto principal da obra e refletir sobre. Se jogar na internet, encontrará uma tradução (meio zoada) desse trecho do livro, sem comentários ou mesmo reflexões sobre. As pessoas simplesmente copiam-e-colam achando bonitinho e fica por isso mesmo. Resolvi ir além, ler a obra inteira (dei uma pausa para me dedicar ao Reiki), e tomar minhas próprias conclusões. Os níveis de consciência humana foram estruturados como parte de um estudo de 30 anos na área da cinesiologia, explicados com detalhes no livro anteriormente citado. As pessoas oscilam em média 0,4 pontos em sua vida, progredindo ou regredindo, devendo lembrar que quanto mais avançado um nível, mais complicado é um avanço, ou seja: 0,4 no nível do Medo é muito menor que 0,4 no nível da Aceitação. Há a questão também de que a pessoa desloca sua consciência da Vergonha ao Orgulho de forma muito fácil, por serem níveis m