terça-feira, 23 de maio de 2017

Os 17 níveis de consciência humana, segundo David Hawkins

Ainda não terminei de ler Power vs. Force, mas estou com a leitura bem adiantada, o que permite escrever sobre o ponto principal da obra e refletir sobre. Se jogar na internet, encontrará uma tradução (meio zoada) desse trecho do livro, sem comentários ou mesmo reflexões sobre. As pessoas simplesmente copiam-e-colam achando bonitinho e fica por isso mesmo. Resolvi ir além, ler a obra inteira (dei uma pausa para me dedicar ao Reiki), e tomar minhas próprias conclusões.

Os níveis de consciência humana foram estruturados como parte de um estudo de 30 anos na área da cinesiologia, explicados com detalhes no livro anteriormente citado. As pessoas oscilam em média 0,4 pontos em sua vida, progredindo ou regredindo, devendo lembrar que quanto mais avançado um nível, mais complicado é um avanço, ou seja: 0,4 no nível do Medo é muito menor que 0,4 no nível da Aceitação. Há a questão também de que a pessoa desloca sua consciência da Vergonha ao Orgulho de forma muito fácil, por serem níveis muito baixos e indefinidos da escala.

Um ponto que Hawkins não observa é que as pessoas podem não fazer uma evolução positiva como analisado, e sim voltar-se às Trevas e ao Caos. Só que já é tão complicado trabalhar a progressão para a Luz, que falar de outros tipos de progressão pode causar uma confusão desnecessária.


A escala Hawkins é logarítmica, e a melhor forma que encontrei para representá-la é pela espiral logarítmica de Bernoulli, apelidada por ele de spira mirabilis (espiral maravilhosa) - diferente da proporção áurea da espiral de Fibonacci. Os níveis mais baixos encontram-se no centro da espiral, e conforme a pessoa progride, a espiral torna-se mais e mais aberta. Além da consciência da pessoa estabilizar-se, tornando-se mais difícil regredir de nível, e mesmo de progredir. Caso haja uma queda de nível, o processo de recuperação ao nível anterior é mais lento e complicado.

O ponto crítico da escala é o nível da Coragem (200). Abaixo deste nível, há a predominância de um ímpeto "primitivo", que Hawkins chama de Força. Os níveis do Medo e da Raiva caracterizam-se por impulsos egocêntricos em busca da autossobrevivência, e o do Orgulho expande o motivo de sobrevivência para outras pessoas. Chegar ao nível da Coragem traz à tona o bem-estar das pessoas em volta. Os níveis acima, que Hawkins chama de "Poder", a pessoa não deixa de cuidar de si, mas o bem-estar do outro também é levado em consideração. Não se deixe enganar: pessoas de baixo nível de consciência que praticam "caridade", apenas buscam o bem-estar de si mesmas e não do outro verdadeiramente.

Enumerando-se os níveis, do mais baixo ao mais elevado têm-se: Vergonha (20), Culpa (30), Apatia (50), Luto (Tristeza/Pesar) (75), Medo (100), Desejo (125), Raiva (150), Orgulho (175), Coragem (200), Neutralidade (250), Disposição (Boa-Vontade) (310), Aceitação (350), Razão (400), Amor (500), Alegria (540), Paz (600) e Iluminação (700-1000). Sim, a Iluminação seria o apogeu da consciência que algumas culturas pregam. Não é algo distante ou apenas para alguns escolhidos. Requer esforço dia após dia para superar a si mesmo. Não significa que a pessoa deixa de ser ela mesma, mas desenvolve o próprio potencial.

Cada nível de consciência tornar-se-á um post no blog. Essa era a proposta que eu tinha há alguns anos e acabei deixando de lado. É uma das linhas-guia do blog, assim como a trilogia Matrix. O Reiki é um caminho para o autodesenvolvimento também, muito mais que uma terapia "para os outros". Os níveis de consciência do Hawkins ajudam a orientar qualquer caminho com este objetivo, mostrando "qual o próximo passo".

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Ao clicar em enviar, aparecerá uma caixinha de confirmação.