terça-feira, 25 de julho de 2017

O Jeitinho Brasileiro e suas consequências

De uma forma ou de outra, as pessoas conhecem a tão famigerada Lei de Gérson: "gosto de levar vantagem em tudo, certo?" Alguns levam no sentido da "esperteza saudável", estar atento às coisas, mas o sentido literal do termo é passar por cima do que for (e de quem for) para levar vantagem em determinadas situações. Se para começar, esperteza não é algo inteligente (o inocente não precisa ser esperto, pois ele está aberto às situações), levar vantagem prejudicando deliberadamente alguém é algo... isso deixo para você refletir.


É tão fácil levar vantagem sobre as coisas: tá bem na nossa frente, dá pra aproveitar e ninguém vai perceber. Aquela adrenalina, a sensação de orgulho por fazer algo inteligente... Se eu fosse enumerar alguns exemplos de jeitinho, primeiro que é difícil de escolher os mais emblemáticos, segundo que são muitos e acabaria por diluir o post. As pessoas têm seus próprios casos de jeitinho e convido você a refletir sobre os que acontecem em sua vida e trabalho.

Se em coisas pequenas é tão fácil passar a perna, imagina nas grandes. Como diz Mestre Yoda: "quem aprende a levantar uma pedra, levanta um avião". Esses grandes esquemas de corrupção que são noticiados são apenas reflexo das pequenas corrupções diárias, nada mais. Aquela pequena malandragem rotineira causa grandes danos a toda a sociedade, que clama pelo fim da corrupção, mas não consegue superar a própria esperteza. Parafraseando aquela propaganda: o problema do Brasil é o brasileiro.

Como toda evolução, o processo é interno para depois se tornar externo. Não adianta criar grandes operações policiais, prender e condenar "os corruptos". Uma nova safra irá surgir, tomar seu lugar e repetir os mesmos atos - porque ainda haverá aquele jeitinho brasileiro para tudo. A maioria nem vê que o faz, de tão corriqueiro que é. Se não o faz, ou é trouxa, perdeu a oportunidade, ou é caxias, faz tudo certinho, sendo associada uma coisa com a outra.

A questão no caso é de consciência: dos danos e consequências a longo prazo. De ir dormir com a famosa sensação de peso e se tornar dependente de remédios para poder repousar o corpo. Com o tempo, a sensação fica entorpecida e anestesiada: o erro dilui-se. Ao vir à tona, é como se a pessoa tivesse acabado de acordar: não tem muita noção do que está acontecendo e ao perceber o erro e suas dimensões, fica constrangida. O jeitinho não apenas prejudica a sociedade como um todo, prejudica a própria pessoa que o pratica.

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Ao clicar em enviar, aparecerá uma caixinha de confirmação.