terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

Sobre o que eu aprendi na faculdade


Sou formada em História, o que gera a curiosidade de muitas pessoas. É uma carreira sólida? Dá pra ganhar dinheiro? O que se aprende na faculdade? Como é o dia-a-dia da profissão? Bom, a ideia do post é refletir sobre História dentro do contexto do blog, já que o fator base da História é o Tempo, e este não é tão sólido quanto se imagina - assim como os fatos e as pessoas.

Acho que faltou no curso reflexões mais profundas sobre o Tempo, e mesmo sobre a questão documental e sua relação com ele. Ao invés do questionamento de políticas e inculcamento de visões de mundo, poder-se-ia abrir espaço para que os futuros historiadores pudessem trilhar os caminhos do Tempo, e permitir que outras pessoas também o façam dentro de suas limitações.

As pessoas não sabem ir além de uma notícia de jornal ou mesmo detectar um anacronismo. Para mim, o pensamento lógico difere do pensamento racional: o primeiro está relacionado a números e cálculos, o segundo seria o primeiro mais esse raciocínio sobre coisas não-tão-lógicas assim, onde a História tem seu lugar.

Não, isso não forma uma pessoa historiadora, mas lhe dá a capacidade de discernir meandros da sociedade, formulando as próprias ideias e agindo em função delas. O estudo dos fatos sob esse prisma ajudaria a formar uma sociedade mais madura, mas talvez seja exatamente isso que não queiram - mesmo as próprias pessoas.

História acabou deixando de ser uma profissão para mim e se tornando um caminho de reflexão e orientação. Muitos dizem que ela deixou de ser a magistra vitae, mestre da vida, mas esse aspecto ressoa nos corações das pessoas até hoje. As pessoas continuam a procurar a História para orientar as próprias vidas, infelizmente sem as habilidades necessárias para navegar por este mundo.

Mas como falar de Passado que este é uma mera construção? Talvez o maior choque que já tive depois de ter concluído o curso foi perceber que o Tempo é uma ilusão: o Futuro é uma ilusão criada com base nas nossas esperanças; o Presente é fruto da percepção; o Passado é uma construção feita com base nos nossos medos. Aceitar este fato para então extrair aprendizado da História de forma profunda.

Esse aprendizado torna-se experiência pessoal, e acaba por voltar a profissão de vez para si mesma. Talvez História possa "dar dinheiro" se vinculada a alguma exposição de sucesso, tão comum e tão vazia hoje em dia. Penso que assim a História possa ter função no cenário atual, além de um hobby para poucos.

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Ao clicar em enviar, aparecerá uma caixinha de confirmação.