Sobre "lacrar" e "magia negra"


Não gosto do termo "lacrar". Ele se refere a operações "mágicas" de baixa frequência, para evitar que tal operação seja quebrada por outras pessoas. Só andar pela rua para trombar com cartazes e panfletos de pessoas fazedoras e desfazedoras - no nível de lixo que produzem, imagine a qualidade do trabalho - de operações "mágicas" ou "energéticas". Se há tanta propaganda, é porque há gente que procura, há gente que acredita que funciona - há gente que vive disso. O Facebook resolveu me sugerir não mais páginas sobre Reiki, mas sobre "magias" e afins.

Já estudei muito sobre - era o que correspondia ao meu nível (baixo) de consciência -, sobretudo na adolescência. Conforme fui desenvolvendo minha consciência (de verdade), fui deixando isso de lado naturalmente. Hoje vejo isso mais como uma brincadeira de criança entre crianças. Geralmente quem mexe com isso não sabe com o que está lidando, e não sabe as consequências que isso pode gerar. A pessoa destrói a própria vida achando que a está melhorando e não repara em um detalhe importante: ela fica dependente desse tipo de ação, que não lhe traz nenhum aprendizado.

Se funciona, digo que é até certo ponto: depende muito mais do "alvo" do que do "emissor". Não seria algo de "acreditar" ou não, mas o nível de consciência que "a vítima" tem. Ou seja: mesmo que uma pessoa não conheça, nem ao menos saiba do ocorrido, pode não acontecer nada com ela. Aí o fulano gasta uma fortuna para prejudicar o outro e simplesmente não dá certo. Não porque o "profissional" é ruim, é porque o alvo é evoluído demais mesmo: algo que deveria ser tomado de exemplo ao invés de virar motivo de inveja.

Você não precisa "se proteger" dos outros. Acho engraçado um reikiano ficar criando "escudos de proteção" - eu mesma já fiz isso, mas depois vi que não faz sentido algum. Tentamos nos proteger daquilo que temos medo, mas algo só faz dano se realmente aceitarmos que o faça. A consciência mostra a pequenez desse tipo de atitude. Ao invés de gastar tempo e energia tentando "lacrar" os outros, é muito melhor para si mesmo procurar crescer e se desenvolver. Logo você se livra disso.

Comentários

  1. Discordo que as coisas negativas só atingem se aceitarmos.Falo pois trabalho com essa parte energética, sou clarividente e eu mesma já passei por isso. Todo ser humano já passou e passará por isso pois no plano em que vivemos é impossível estar energeticamente equilibrado o tempo todo. Passamos por situações estressantes e desafiadoras diariamente e isso pode sim reduzir a nossa frequência vibratória abrindo as portas para essas energias oportunistas. De fato, há certos tipos de manipulação energética com esse fim: usar pessoas próximas e situações do dia a dia para desestabilizar a pessoa e criar a vulnerabilidade energética. A higiene, regulação e a protação dos nossos corpos sutis são tão importantes quanto as dos nossos corpos físicos. Negar a nossa vulnerabilidade energética ainda que esta seja temporária é como negar a nossa vulnerabilidade ao sol pois estamos expostos a todo tipo de energia quase o tempo todo. Se usamos roupas, protetor solar, chapéus e bonés para proteger nossa pele que é a maior barreira que temos no corpo, pq proteger nossa aura que é nossa barreira energética não seria importante? Por isso que muitas pessoas desenvolvem problemas psicoemocionais e até físicos como resultado de se transformar em uma grande lata de lixo energética; quandos essas energias acumulam nos corpos sutis e chegam às camadas mais próximas do nosso corpo físico, o resultado é esse.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde!

      Resumo de seu comentário: uso do argumento de autoridade para dizer que estou errada.

      Excluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Ao clicar em enviar, aparecerá uma caixinha de confirmação.