terça-feira, 31 de julho de 2018

Calmaria em meio à Tempestade


Refletir sobre os Cinco Princípios do Reiki deveria ir além dos princípios em si. Isso lembra o Taoismo com a sua definição-não-definição: quando você define o que algo é, define automaticamente o que não é, ou mesmo o que poderia ser ou não. É engraçado você tomar uma atitude enérgica e o reikiano vir com o não se zangue sem ao menos refletir se a pessoa está zangada ou não. Ou mesmo agir contra a má-fé de alguém e o reikiano te lembrar do eu confio.

Recitar os Cinco Princípios todos os dias de manhã e à noite não é ficar repetindo como ladainha, mas dar um sentido para eles: aprender com as situações e superá-las. Vai parecer que você distorceu tudo, mas no fundo, você aprendeu a viver com o Gokai - o que considero mais importante do que o próprio declamar. Seguem algumas conclusões que cheguei vivenciando os princípios:

  • Sou calmo: não significa que eu não vá me defender de uma agressão ou mesmo não ser contundente quando necessário. Com o bônus de estar com a cabeça fria e agir da forma mais eficiente possível.
  • Confio: não significa que não prestarei atenção a todos os detalhes de uma situação - ou pelo menos me esforçar para tal. Não significa que me deixarei levar por uma clara atitude maldosa, achando que algo "milagroso" irá ocorrer.
  • Sou grato: não significa que não vou correr atrás do que eu sonho, ou mesmo não questionar o que há de errado. Ser grato mostra as portas para novas experiências, mas é necessário atravessá-las, e algumas vezes arrombá-las.
  • Trabalho honestamente: não significa que não terei preguiça em alguns momentos, ou mesmo falhar no que estou fazendo. É não simular perfeição ou evolução, afinal, a maioria das pessoas evoluídas são mal vistas pela sociedade.
  • Sou bondoso: não significa que não vou tomar atitudes que parecerão grossas, inflexíveis ou mesmo agressivas. Não significa que passarei a mão na cabeça dos erros ou mesmo deixar a pessoa se ferrar quando for escolha dela, afinal, quem procura, acha.

Reiki não é apenas uma terapia complementar de equilíbrio energético: é um caminho de desenvolvimento da consciência do praticante. De acordo com os reikianos de correntes consideradas tradicionais, como o Johnny De'Carli, o mestre Usui tinha como requisito para o mestrado em Reiki a própria Iluminação, ou mesmo um vislumbre dela. Vejo que os Cinco Princípios são vistos de forma muito rasa, mesmo quando são escritas páginas e páginas sobre. Criou-se uma imagem do "reikiano ideal" que lembra o Creek do filme Trolls.

Mais importante do que ser um "terapeuta reikiano" é ser um reikiano por inteiro, por assim dizer. Aplicar o Reiki como um modo de vida, não apenas como energia em locais desequilibrados. O repeteco é uma forma (das muitas) de trazer os princípios ao cotidiano e evoluir a consciência do reikiano, e, na minha opinião, a parte mais importante do Reiki como um todo, pois o nível de consciência interfere diretamente na aplicação energética. Contudo, com o passar do tempo, os princípios são superados: já fazem parte da vida da pessoa, esta não precisa mais recitá-los, pois já os vive.

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Ao clicar em enviar, aparecerá uma caixinha de confirmação.