terça-feira, 14 de agosto de 2018

Reiki Conciliation - ao longo do caminho da maestria

Há um bom tempo eu estava com este documentário salvo no meu navegador para dar uma boa analisada. Ele conta a tentativa da mestre Reiki Phyllis Lei Furumoto, neta da mestre Hawayo Takata, de se conciliar com a mestre Barbara Weber Ray, também iniciada por Takata. O conflito reside na questão de quem assumiria a grão-maestria do Reiki após a morte de Hawayo, que acabou "pendendo" para Furumoto, apesar de não ter a mesma experiência de Ray. Esse documentário foi legendado para português pelo mestre João Magalhães, que também participou do documentário.

No final das contas, foram criadas duas organizações reikianas em separado, a The Radiance Technique e a Reiki Alliance. Não se pode esquecer que a Usui Reiki Ryoho Gakkai não reconhece a mestre Takata como reikiana, anulando qualquer reclamação de grão-maestria por parte de seus sucessores. A impressão que dá é que a vaidade sempre esteve presente nos círculos reikianos, criando reservas de mercado e desunindo pessoas. Sempre foi uma premissa reikiana o desenvolvimento interior, e sempre se nota que a filosofia do Reiki era preterido à prática terapêutica.

Contudo, quero observar um detalhe importante: após 35 anos um reikiano resolve promover a conciliação entre ambas as mestres, só que a Barbara Ray não aparece, apenas algumas pessoas próximas. Não consegui confirmar se Ray está viva ou morta, o que deixa em aberto a questão. Talvez não seja uma mera conciliação, podendo ser mesmo uma tentativa de se impor definitivamente após tanto tempo, sem chance para defesa ou questionamento. Note que Furumoto ainda possui uma característica impositiva, que fica patente ao citar o livro de Don Miguel Ruiz, Os Quatro Compromissos.

Neste ponto, eu bato na tecla dos Cinco Princípios, pois estes deveriam ser a linha guia de qualquer reikiano, sobretudo quando o assunto envolve a própria prática do Reiki. Outra impressão que eu tenho nesse documentário é que Phyllis substitui o Gokai pelos compromissos de Ruiz. O próprio conceito de grão-maestria é "suprimido": antes era o grão-mestre (IIIb) que iniciava mestres (nível IIIa), reikianos que poderiam iniciar pessoas nos outros níveis (I e II); agora qualquer mestre poderia "transmitir este conhecimento" (o IIIb) se considerasse oportuno.

Isso puxa um conceito muito profundo: o mestre Reiki era aquele que havia passado pela experiência da Iluminação, assim como Usui, e deveria transmiti-la ao novo mestre. Contudo, destes mestres, apenas um deveria estar acima e formá-los: o tal grão-mestre, que passaria esse "conhecimento espiritual", além de guiar o grupo de outros mestres. Furumoto insiste com a história de um "corpo mestre", que "deliberaria em conjunto" sobre a prática. No final, ela insiste em uma reconciliação global entre reikianos, na qual ela acabaria sendo o ponto central desse movimento. Se isso não for se impor como grão-mestre de todos os reikianos - tá muito bonitinho o discurso.

O que se sabe é que Takata havia falecido sem nomear nenhum sucessor, talvez por decisão dela ou não. Os outros mestres haviam reconhecido Furumoto como sucessora, talvez por um motivo de consanguinidade, mesmo que esta tenha sido formada mestre há menos tempo que os outros. Um pequeno grupo acaba por questionar esta escolha, apontando para Ray. Esta tenta se impor sobre os demais, e a cisão acontece. Triste que ao pesquisar pouca coisa é encontrada, e este documentário possa ser apenas uma tentativa de mostrar um lado da história como verdadeiro, talvez sem possibilidade de ver o outro lado.

Cabe notar que quando Chujiro Hayashi nomeou Takata como sua sucessora, não deve ter sido por um motivo lá muito elevado: era conveniente levar o Reiki para fora do Japão, em especial os Estados Unidos, onde haveria guarida para continuar a se desenvolver, sobretudo após a Segunda Guerra Mundial. Depois deste conflito, o Reiki no Japão ficou restrito a um punhado de praticantes fechado à linhagem de Takata, enquanto que nos Estados Unidos pôde se espalhar pelo mundo. A própria Takata distorceu, e muito, o conhecimento sobre Reiki, que aos poucos é recuperado e justificado.

Só uma parte do documentário está disponível para acesso, que é o vídeo abaixo. Os Sessenta e seis passos no caminho da reconciliação podem ser adquiridos em partes ou de uma vez, inclusive está disponível à venda um pendrive com todos os vídeos e suas legendas. Ainda não pude adquirir, talvez num futuro, o que pode (ou não) causar alguma alteração no conteúdo deste post, ou mesmo abrir caminho para um novo post a respeito.

2 comentários:

  1. Nossa que bagunça, não pensei que tivesse essa picuinha toda pra poder difundir os ensinamentos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Primeiramente, desculpa, flor, pela demora em responder :)

      Sobre essa bagunça, foi mais ou menos isso o que eu pensei. Percebi isso em um curso de reciclagem que fiz há alguns anos, quando fui expulsa de um programa de voluntariado, e esse documentário meio que "coroou" minha frustração.

      Isso porque o Reiki possui toda uma filosofia de vida para nos tornarmos pessoas melhores!

      Excluir

Deixe seu comentário. Ao clicar em enviar, aparecerá uma caixinha de confirmação.