terça-feira, 25 de setembro de 2018

Como ler um livro


Há uma obra muito interessante chamada Como ler um livro, no original How to read a book, do professor Mortimer Adler. Ele tinha por princípio a implantação das artes liberais (aquelas da Idade Média) no ensino escolar, numa época em que a educação americana começava a passar por distorções e a perder qualidade - o próprio autor reclama disso em seu livro. O autor argumenta que é essencial que uma pessoa saiba ler para assim adquirir todo o conhecimento de que precisa, mas não apenas absorver palavras passivamente, e sim raciocinar e refletir sobre o que é exposto pela obra, relacionando com experiências e outras obras.

Não vou discorrer sobre seu método de ler um livro, mas faço uma sugestão: a primeira edição possui um método mais genérico e mais simples. A segunda edição acaba complicando as coisas e quer criar métodos para cada tipo de livro. O próprio autor não gosta de resumos ou esquemas de obras: um livro bom é compreensível para todos, sem auxílio - o leitor toma notas do que considera importante para ele para usar como auxiliar. O método chega a ser intuitivo em algumas partes, mas a racionalização do mesmo aumenta sua importância, e mesmo sua eficácia.

Os clássicos assim o são por serem compreensíveis para o grande público, não necessitando de grande conhecimento teórico sobre o assunto - ao contrário do que se imagina hoje em dia. Ler uma grande obra requer capacidade de raciocínio e atenção, algo que vem com o exercício da leitura, e não do diploma acadêmico. Muitos acabam por fugir dos clássicos por considerarem estes complicados ou inacessíveis, recorrendo a resumos e esquemas, que muitas vezes distorcem as obras originais.

Por outro lado, não são todas as obras que devem ser lidas de forma tão profunda, por dois motivos: ou não há tempo hábil, devendo ser relida depois com maior atenção, ou por ser ela muito ruim mesmo. Esses dias eu estava refletindo sobre alguns livros que não leio por inteiro. Muitos comentam que os livros devem ser lidos até o fim, por pior que sejam, ou você não terá argumentos válidos para rejeitá-lo. No entanto, não se toma uma dose completa de veneno para saber se este é ruim ou não: nas primeiras gotas já são percebidos seus malefícios. Obviamente não dá para fazer uma análise completa sobre a má qualidade da obra, mas interromper sua leitura é motivo suficiente para uma avaliação negativa.

Com tanto livro bom por aí, perder tempo com resumos e obras ruins não faz muito sentido. Entenda uma obra ruim como uma obra mal escrita, que não explica ou argumenta, mais próxima a um panfleto do que a um livro. Pessoalmente, acho difícil uma obra começar ruim e terminar boa: o contrário é mais fácil de acontecer, e, dependendo do livro, não chega a ser tão decepcionante assim. Ideias precisam de contexto. Discursos precisam ser analisados. O livro te livra chega a ser uma frase bonita e interessante para o momento. Ao inseri-la no contexto deste post, percebe-se a reserva de mercado a qual pertence: não seriam todos os livros, e, indo além, não seriam só os livros.

O livro em si não é um processo libertador: é a própria pessoa que se liberta. Nesse caso, não existe separar joio do trigo em um primeiro momento: você come ambos, digere ambos, seu organismo aproveita uma parte e descarta o resto. Não é o caso da leitura prazerosa, afinal o objetivo desta é o deleite - se o livro estiver desagradável, você pega outro e ponto.

É aquela sensação de entrar em uma livraria e achar que ao ler todos aqueles livros o leitor tornar-se-á uma pessoa melhor. Porém, conforme lê títulos e mais títulos, a mudança não ocorre, ou ocorre para outra direção, imprevista mas imperceptível. No final das contas, o conhecimento e a sabedoria vêm de uma fonte além dos livros: há pessoas que exalam sua evolução com uma bibliografia diminuta, às vezes inexistente. Ao longo do tempo percebi que não se pode deixar levar pelo conhecimento, e sim utilizá-lo de forma consciente.

2 comentários:

  1. Nem sabia que tinha manual pra ler livro xD~ Pensei que era ler, absorver o que achar de importante e beleza kkkkk
    E nessa de ler um livro ruim até o fim... pra que? Já tá ruim, para né :V

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ois!

      Pois é, ledo engano.
      E nessa a gente deixa pra trás detalhes importantes do conteúdo.

      Mas quando o livro é ruim... Não, para.
      kkkkkkkkk

      Excluir

Deixe seu comentário. Ao clicar em enviar, aparecerá uma caixinha de confirmação.