terça-feira, 2 de outubro de 2018

Maturidade de expressão


Uma coisa que chega a ser irritante nas redes sociais é a mania das pessoas quererem ser donas da razão. Todas querem falar, mas nenhuma quer ouvir. Todos querem ensinar, mas ninguém quer aprender. Veja os novos astros da internet: sempre ensinando uma coisa nova, a pedido de um público amorfo. Mesmo em conversas mais restritas, as pessoas estão mais interessadas em expor sua opinião como realidade última do que realmente trocar ideias e formar um conhecimento mais sólido.

Isso vai de encontro à busca de redes sociais alternativas, já que as hegemônicas buscam cercear o conteúdo publicado que diverge de sua opinião. Talvez se isso fosse assumido publicamente, houvesse maior tolerância. Pessoalmente, acho que essa busca por redes alternativas está indo mais lenta que o aceitável, como se as pessoas lutassem pela batalha perdida de se manter no Facebook e Twitter. Eu sinto falta do Orkut por causa de sua simplicidade, e também pelo modelo de fórum das comunidades: as conversas eram organizadas e podiam ser aprofundadas, algo que nunca mais encontrei na internet.

Estendendo-me um pouco mais nisso: repare que o modelo de timeline de grupos impede que aquela boa conversa feita no dia anterior fique visível nos outros dias. Será necessária uma nova conversa, e aquilo não se desenvolve, ou seja, o conhecimento não é trocado. Por outro lado, é cada vez mais difícil encontrar pessoas com algum conhecimento real para trocar, que queiram pelo menos ouvir e aprender mais.

Pois bem, surgem novas redes sociais cujos conteúdos não podem ser excluídos pela administração, permitindo que a pessoa diga o que bem entender. Imagine a diarreia mental que surge da maioria dos perfis: se por um lado essa livre expressão permite que bons usuários possam escrever sem que haja discriminação política, por outro expõe a imaturidade de uma grande parte de usuários da internet.

Percebo que boa parte das questões atuais requerem sobretudo maturidade para que decisões melhores sejam tomadas. A luta pelo fim das restrições à liberdade de expressão mostra o quanto as pessoas ainda precisam crescer para terem uma sociedade melhor. Entende-se que as restrições buscam tirar manifestações impróprias de circulação, mas elas se mostram falhas devido à falta de maturidade (ou seria sanha pelo poder?) do moderador delas.

Exemplo disso é a reação exagerada a ofensas bobas. Pessoas mais maduras nem se manifestam, quanto outras partem para escândalos e mesmo ações judiciais. Isso mostra que o problema realmente não está na liberdade de expressão, mas sim na maturidade em se expressar.

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Ao clicar em enviar, aparecerá uma caixinha de confirmação.