terça-feira, 27 de novembro de 2018

A fluidez do respeito


Vive-se em uma sociedade fluida. Tudo oscila e muda a cada minuto, para não dizer a cada segundo. Talvez isso tenha sido sempre assim, apesar de ter vindo à tona apenas nos últimos tempos - pelo menos para mim. Com a "descoberta" desta fluidez, as coisas passaram a mudar de forma mais visível, e até mesmo mais rápida. Um exemplo interessante a se notar é o do respeito, que as pessoas dizem ter umas com as outras, reclamam que não o recebem de volta, mas todos acham necessário para uma convivência social.

As pessoas estão em um nível de vitimismo tal que qualquer coisa é motivo de ofensa - basta ler os vários posts que já escrevi a respeito. Contudo, não se busca entender a expressão de respeito do outro, mas apenas tentar entender a atitude do outro baseada nos próprios padrões do que seria respeitoso. Cada pessoa possui suas formas de expressar respeito, assim como os próprios parâmetros de bom senso. Isso varia com a percepção de cada um.

Ou seja, dentro do vitimismo existente na sociedade atual, qualquer coisa pode ser considerada ofensiva, pois irá depender da pessoa considerar aquilo respeitoso ou não. Por mais que alguém tente ser educado e gentil com outra pessoa, esta poderá se vitimizar em relação à primeira, como se sua atitude fosse a mais desrespeitosa possível. No entanto, ao invés de tentar entender o significado daquela atitude, apenas se julga o que a própria pessoa considera por agradável ou não.

Isso causa uma inversão no fluxo natural da espécie: ao invés do predomínio do que há de melhor entre as pessoas, estas acabam tendo que se curvar perante um grupo de pessoas fracas e imaturas. Ao contrário do que se imagina, isso não promove o sonhado equilíbrio social, pelo contrário: com pessoas imaturas "no comando", as coisas só tendem a degringolar cada vez mais, até que alguém "mais apto" assuma o comando para resolver a situação. É o que vem acontecendo nos dias de hoje com o que é chamado de intolerância: o vitimismo atingiu seu ponto de saturação e as pessoas não aguentam mais isso. E isso precisa mudar.

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Ao clicar em enviar, aparecerá uma caixinha de confirmação.