terça-feira, 20 de outubro de 2020

Sobre a limitação do pensamento


 

Já escrevi aqui sobre o 1984 e sobre a fluidez da linguagem ao longo do tempo, mas acredito que ainda não escrevi nada sobre o uso da linguagem como forma de desenvolvimento das ideias e, consequentemente, da evolução de consciência. O que eu noto hoje em dia é um movimento de limitação da linguagem que acaba por atrapalhar o fluxo de pensamentos na mente da pessoa, já que a mesma acaba por se vigiar de forma tão incisiva, o que prejudica até o desenvolvimento de sua consciência.

Comentei no post sobre o politicamente correto um pouco da limitação da linguagem, pelo fato de pessoas se ofenderem com coisas cada vez mais banais, querendo a todo custo bani-las da existência, transformando em vilões quem ainda as usa. Não se pode mais pensar se algo é ofensivo ou não, pois qualquer coisa pode ser ofensiva - e muitas vezes, o ofensivo é associado ao criminoso diretamente, sem a mínima proporcionalidade.

Se tudo é ofensivo, nada é ofensivo, ou seja, a questão de ofensa torna-se uma mera questão de conveniência para determinadas pessoas: a mesma coisa dita por grupos diferentes toma significados diferentes, dentro do pensamento binário "se não é bom é ruim". Um gesto educado torna-se ofensivo, enquanto que uma grosseria torna-se algo nobre, sem depender do contexto, mas de quem o fez.

O problema não está nas novas formas de comunicação que surgem: isso é normal em qualquer língua viva. O problema está na perseguição e na obrigação feita para serem adotadas apenas determinadas formas, condenando qualquer outra, sobretudo a norma padrão. Deve-se entender que novidades em uma língua sempre serão consideradas vulgaridades ou gírias, sobretudo quando as mesmas podem ser consideradas barbarismos ou neologismos.

O pensamento depende da linguagem para fluir na mente. São exceções os casos de pensamentos que não podem ser descritos com palavras - geralmente associados a níveis de consciência elevados, inacessíveis para maior parte das pessoas. Quanto maior e mais profundo o conhecimento em linguagem e imagens mentais (adquirido através da boa literatura), os pensamentos conseguem se desenvolver mais livremente, inclusive tornando mais consciente aquele processo de download de ideias que Hawkins comenta no Power vs. Force.

É a partir do desenvolvimento do pensamento que se pode progredir a consciência, pois o pensamento livre permite uma maior e melhor visão sobre a realidade. Não se teme pensar sobre mais de um ângulo, mas surge o impulso de refletir sobre os diversos pontos de vista, em busca da Verdade. O processo meditativo é uma forma de manter a consciência sobre os pensamentos através do foco em um determinado ponto - e assim podendo conhecer mais de um ângulo com mais profundidade e assim ver a totalidade de forma mais completa.

Obrigar um tipo de linguagem, buscando banir alternativas, cria uma espécie de vigilância mental na qual a pessoa evita pensar de outras formas, pois evitará usar "palavras proibidas" em seu pensamento para não falá-las em público. Além da energia desperdiçada em controlar o fluxo de pensamento, são criados obstáculos que impedem a pessoa de ver os outros ângulos das situações, impedindo que a consciência evolua.

O próprio engajamento para alterar e limitar o uso da linguagem deriva de uma consciência limitada, que não consegue ver a realidade de forma mais ampla. Conforme a pessoa evolui, ela percebe que as palavras são meras ferramentas, que a linguagem é fluida, e que ambas são necessárias para compreender o que se passa, inclusive para comunicar isso a outras pessoas, e para que estas a entendam.

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Ao clicar em enviar, aparecerá uma caixinha de confirmação.