terça-feira, 11 de maio de 2021

A Era do Palpite


A situação atual abriu precedente para as pessoas no geral darem palpite na vida alheia de forma cada vez mais invasiva, como se fossem evoluídas a ponto de saber o que é melhor para os outros. Curioso é que quanto mais se progride nos níveis de consciência, mais se respeita as "más" escolhas alheias - afinal, todos têm o direito de errar. Infelizmente, o limite para esse tipo de invasão foi rompido e não percebem o quão perigoso isso é.

É normal, e até saudável, dar sua opinião para outra pessoa - principalmente quando solicitado. A visão que outra pessoa possui de sua situação geralmente abarca ângulos não visíveis para nós. Pode-se então pensar em pais e professores nos processos de educação e de formação intelectual: visões de mundo são apresentadas para ampliarmos nossos horizontes e nos tornarmos pessoas melhores.

Sempre se buscou (pelo menos até certo ponto) respeitar o limite do outro, a famosa individualidade. O fato de como uma pessoa pinta o cabelo ou usa uma meia de cada cor não significa absolutamente nada, mesmo gerando os famosos preconceitos - sobre os quais ainda há muitos posts por fazer. No entanto, sempre houve a vontade de se ditar o que o outro deve fazer, mesmo nas coisas mais banais.

Deve haver um claro discernimento de quando intervir ou não, pois realmente há casos nos quais uma boa conversa é necessário - justamente os casos em que os palpiteiros não querem dar palpite (para ver o outro ter problemas, talvez). Quando algo pode afetar sua saúde, e mesmo sua sanidade, é necessário chegar, conversar, entender e agir.

O problema está sendo quando não é algo de grande monta a afetar o palpiteiro, mas a sensação de "dever cívico" criada por uma situação que fornece todo um suporte para a pessoa falar sem ao menos entender a realidade da própria vida - quanto mais a do outro. Talvez neste contexto a expressão "os incomodados que se mudem" poderia ser uma boa resposta.

É o apoio que os tiranos apreciam, pois a força de repressão pode ser direcionada em casos mais drásticos, enquanto que a própria população ocupa-se em "regular" a vida alheia. Tiranias apenas duram porque as pessoas que vivem nelas buscam uma forma de tirar vantagem, mesmo que para isso precisem prejudicar sem quaisquer justificativas.

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Ao clicar em enviar, aparecerá uma caixinha de confirmação.