terça-feira, 15 de junho de 2021

O tal Novo Normal

Mais cedo ou mais tarde falaria sobre isso aqui. O assunto do momento é o novo padrão de normalidade existente por conta da pandemia. No entanto, esse "padrão de normalidade" apenas veio à tona: já existia há décadas, programado de forma sutil na mente das pessoas para pensarem e agirem desta forma, sem perceber os danos que isso causa.

No livro Ponerologia, o autor comenta sobre a paramoralidade, que seria um padrão moral doentio que toma conta de uma sociedade inteira, distorcendo conceitos morais básicos. É o que acontece hoje em dia: o novo normal se baseia numa moralidade doente. Ser honesto é necessário para que todos possam dar seu melhor e viver bem. Contudo, é algo complexo, sobretudo por envolver os interesses próprios de cada pessoa.

Ser honesto com o outro é necessário para que o outro seja honesto conosco, e ser punido por sua desonestidade. A atual paramoralidade relativiza esse conceito, tanto com a desonestidade aberta quanto com a condenação de supostas desonestidades - inócuas se forem analisados os casos concretos. "O importante é levar vantagem sempre" chega ao nível de se perder algo bom apenas para ver alguém também perder.

Repare que esta desonestidade é argumentada de forma intensa, apesar de não possuir base lógica nenhuma. Não adiantam argumentos lógicos: o outro simplesmente refuta por refutar. Não é mais questão de racionalidade: é questão da boa e velha subjetividade, onde se leva em consideração quem fala e não o que se fala.

Quando se passa a analisar quem falou ou fez do que a frase ou ato propriamente ditos, perde-se toda a noção de ética e moral: apenas a conveniência passa a importar. Uma pessoa está certa ou errada não por conta de racionalidade, mas se a questão irá gerar ganhos ou perdas a quem está avaliando. É comum proteger corruptos para que haja cumplicidade caso queira cometer algo considerado errado.

Acabou-se a troca de ideias. Você pode argumentar o quanto quiser, ou melhor, você deve ter o extremo cuidado, quase paranoico, ao falar com as pessoas, pois o que é dito pode gerar revezes nos quais outros não se importarão com sua situação, nem se a punição é proporcional ao que foi dito - afinal, pensa-se nas vantagens ganhas pelo ofendido e em estar, um dia, em seu lugar.

Aliás, a noção de vítima também mudou. Não é mais aquela pessoa ofendida que busca desagravo de sua situação, mas uma pessoa que busca tirar proveito de sua situação para ascender socialmente, de preferência destruindo a vida do suposto agressor, já que muitas vezes nem problema houve, mas "cava-se" qualquer coisa, dentro dos novos padrões de moralidade, para exigir retratação.

Enfim, perceba, o quanto antes, que este "novo normal" irá destruir a sociedade a partir da mente de cada indivíduo, mas não pense que haverá um caos de pessoas enlouquecidas na rua: tudo parecerá normal, organizado, tranquilo até. Entretanto, haverá a sensação de que algo não está certo, de que há algo "fora do lugar": com sorte, perceberá que as mentes foram totalmente dominadas em um novo padrão de pensamento, sem possibilidade de escapatória.

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Ao clicar em enviar, aparecerá uma caixinha de confirmação.