Quando o problema não traz aprendizado

Uma vez ouvi alguém comentar que não era mais necessário fazer terapia porque os remédios resolveriam tudo: há remédios para acalmar, para estimular, para focar, para dormir, entre outros tantos. No caso, não se falava daqueles que possuem patologias reais e necessitam dessas medicações, mas daqueles que podem fazer muito mais mudando de postura perante as situações.

Sem a superação dos problemas, as pessoas são arrastadas para crises sem fim de mais e mais problemas e de situações cada vez mais desfavoráveis. É tomando consciência das adversidades que é possível crescer, inclusive mais que em tempos de bonança e passividade.

Para isso é necessária a aceitação do problema e da responsabilidade sobre, o que não é possível com soluções paliativas nem com a projeção em outras pessoas ou mesmo com espantalhos: falsificações de pessoas e situações criadas para esconder a realidade sobre o alvo e agredi-lo.

O que se passa hoje em dia é a resistência em adaptar-se aos problemas e aceitar a responsabilidade sobre eles, entrando em espirais cada vez mais profundas de situações dolorosas desnecessárias, unicamente para não mudar de postura - ou mesmo de visão de mundo -, colocando a culpa em desafetos muitas vezes inexistentes.

Sem a aceitação da própria responsabilidade e a vontade de ver o problema como realmente é, sem conveniências, serão necessários paliativos cada vez mais potentes (entenda aqui como preferir) para a manutenção do estado de resistência engessada, no qual o bem estar é apenas uma aparência.

Comentários